sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Recordações...





Falava-se de surpresas que já nos tivessem feito no dia de S. Valentim. Não tinha nenhuma história que pudesse contar e dele fiquei apenas a saber que gostava de ajudar a surpreender. Naquela noite, S. Valentim, ao fundo das escadas, esperava por mim uma rosa branca e nela um aroma especial.
      Por algum motivo guardo-a até hoje.
      Quando me enviou mensagem a dizer que na portaria encontraria algo para mim, lembro um misto de vergonha e reconforto. Esperando que não fosse brincadeira, fui em passo apressado mas disfarçado, perguntar o que seria. Encontrei o senhor de sempre…cabelo grisalho, rugas no rosto e de sorriso fácil (talvez o dia também lhe estivesse a correr bem), que me entregou um livro. Não posso dizer que acertou em cheio no género literário mas não poderia ter gostado mais de o ler.
      Estava no alto dos meus 25 e sem confiança de que alguém se poderia importar daquele jeito. Ele em algum momento, naquele tempo, tentou chegar ao meu coração já ocupado. E nesse momento, fez mais do que quem o ocupava tentou fazer algum dia.
      Não imagino um enredo diferente do que aquele que foi mas ele sempre será a minha história sem fim e sem começo.
      Porque ontem ao arrumar os meus livros, vi-o e soube sentir que aquele teve um sabor especial.

1 comentário:

  1. Como te compreendo, nem imaginas...

    a imagem é linda!


    bom dia menina Flor

    :)

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.