sexta-feira, 21 de junho de 2019


É maravilhoso ser imperfeita
Dá-me uma margem de manobra brutal para continuar a errar

quarta-feira, 12 de junho de 2019

Loucura era eu ser normal!




Mas, aprendi! 
Que enquanto a vida não desistir de mim, eu não desisto dela!
Vivo de coisas lindas!
De lugares onde nunca fui...
Aprecio a brisa, agradeço, sonho e conquisto.
Há pessoas que me acompanham... 
E há outras de quem já desisti.

segunda-feira, 20 de maio de 2019

Coisas minhas que ninguém entende... só tu...


Era simples. 
Era só não desistires à primeira. 
Era só não virares costas à primeira dificuldade. 
Era só ficares mais um bocadinho. 
Até à serenidade de uma noite passada. 
Até ao por-do-sol.
Mas desististe. 
De mim. 
De nós. 
De ti.
Eu? 
Eu não desisto de mim.

quinta-feira, 9 de maio de 2019

Intimidade não é sobre quem te despe...



Quantas vezes uma vida inteira ao lado de alguém, não te concede isso?
Intimidade é ter alguém para ligar às quatro da manhã, quando o sono se perdeu no vaguear dos teus pensamentos... 
É poderes confessar abertamente os teus desejos mais descabidos e saberes que não há julgamentos! 
É escancarar as portas do íntimo e deixar brotar os medos e as inquietudes, porque sabes que o outro é um pouco de ti também.
Intimidade é a partilha sublime dos silêncios, num encontro de almas, numa sintonia quase encantada,que não se explica.
Intimidade, é não precisares ser perfeito para o outro, porque com ela vem a aceitação e o apreço, até pelos defeitos... 
É quando um sorriso traz aconchego, quando um abraço se transforma em casa, quando o coração do outro faz de ti morada...
Intimidade, é comunicar sem dizer uma palavra, ler nas entrelinhas, decifrar com os olhos...
Intimidade é quando alguém te toca sem te encostar um dedo...

sexta-feira, 12 de abril de 2019

Passado é passado...



Quando foste embora, deixaste um rasto de mágoa e de ressentimento. 
Não por teres ido, mas pela forma como resolveste fazê-lo. 
No meio de enganos, de mentiras e omissões!
Doeu muito! 
Doeu tanto que desejei nunca mais lembrar-me da tua cara ou do teu nome. Tirei-te da minha vida, como se nunca dela tivesses feito parte.
Escolhi não te ter por perto, mesmo quando quiseste voltar. 
Escolhi não permitir que voltasses a magoar-me.
O tempo passou e amenizou a dor. 
As feridas sararam... e com ele veio o perdão. 
Não me sabia capaz de te perdoar. 
Não me sabia capaz de esquecer o que me fizeras. 
Mas fui capaz... e sinto-me tão em paz com isso.
Voltaste a dar sinal de vida! 
Reapareces das cinzas ao fim de tanto tempo... e não dói, mas também não sinto saudades...
É como se te tivesse guardado numa gaveta... que sei que, nunca mais vou querer abrir...

quinta-feira, 11 de abril de 2019

Tontices...


Separaram-se! 
Ela seguiu o caminho da direita, ele o da esquerda. Mas esqueceram-se de algo muito importante: 
O mundo é redondo...

sexta-feira, 5 de abril de 2019

Na voz de quem sabe escrever...



Contei os meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que recebeu um cesto de cerejas. As primeiras, ele comeu displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir quem eles admiram, cobiçando seus lugares, talentos e sorte. Já não tenho tempo para conversas intermináveis, para discutir assuntos inúteis sobre vidas alheias que nem fazem parte da minha. Já não tenho tempo para administrar melindres de pessoas, que apesar da idade cronológica, são imaturos. Detesto fazer acareação de desafectos que brigaram pelo majestoso cargo de secretário-geral do coral. As pessoas não debatem conteúdos, apenas os rótulos. Meu tempo tornou-se escasso para debater rótulos, quero a essência, minha alma tem pressa... Sem muitas cerejas no cesto, quero viver ao lado de gente humana, muito humana; que sabe rir de seus tropeços, não se encanta com triunfos, não se considera eleita antes da hora, não foge de sua mortalidade, Caminhar perto de coisas e pessoas de verdade, O essencial faz a vida valer a pena. E para mim, basta o essencial!

Ricardo Gondim