sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Quando já nada é como antes...





Agarra num prato e atira-o ao chão.

-Ok, já está.

Partiu-se?

-Sim.

Agora pede-lhe desculpa.

-Desculpa.

Voltou à forma que tinha antes?

-Não.

Percebes agora?...

6 comentários:

  1. Se os pratos tivessem sentimentos e conseguissem desculpar, os pratos governavam o mundo.
    Não seria assim?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não entendeste nada meu amor, mas eu desculpo... os tecos ainda não acordaram :)

      Eliminar
    2. Eu entendi e respondi na mesma forma.
      O teu post podia ter como título uma música dos "the corrs": forgiven not forgotten

      ;)

      Eliminar
  2. Tal como a mentira. Ficam sempre coisas soltas.

    Uma almofada de penas, cortas no alto de um prédio e nunca mais recuperas as penas todas que voaram. Ficam sempre algumas espalhadas que não consegues recuperar.
    :)

    ResponderEliminar
  3. Digo sempre àqueles que me consultam (alunas, alunos.... homens em geral!):
    "Não faças chorar uma mulher, pois Deus conta todas as suas lágrimas. A mulher fez-se da costela do homem, não dos pés para ser espezinhada, nem da cabeça para ser superior, mas sim do lado para ser igual, (…) debaixo do braço para ser protegida e perto do coração para ser amada.”

    Talmude (tratado Kiddushin), Eretz Israel, século I EC* - *Era Comum

    ResponderEliminar
  4. Há muita gente que precisa de perceber isso...

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.