terça-feira, 30 de julho de 2013




Pergunto-me tantas vezes como é possível enganarmo-nos tanto com as pessoas que pensamos conhecer...
Retórica?... Sem dúvida!
Partilhamos momentos, palavras, sonhos, segredos... damos tudo o que temos para dar: o corpo e a alma... e no final tudo parece ter sido em vão...
Fica sempre qualquer coisa dessas experiências, é verdade, que mais não seja, um aviso para da próxima vez, não errar. Porém, quando chega a próxima, volta a acontecer... é daquelas coisas que podemos apelidar de ingenuidade, contudo, para mim é sinal de carácter. Continuo a pensar que todos são como eu, mas os factos comprovam exactamente o contrário... está difícil ultrapassar esta última queda... há dias em que nem me lembro, no entanto, há outros em em que não me sai do pensamento... parece que se entranhou na minha alma e de lá não quer sair, tal qual uma erva daninha que de cada vez que se arranca, nascem duas...
Acreditar que tudo isto faz parte do nosso processo de crescimento e amadurecimento, em momentos como estes em que tudo em nós fraqueja, é uma tarefa verdadeiramente penosa... foi assim ou assado porque teve que ser, mas... caramba, já não chega?
Os dias optimistas têm vencido, mas quando o pessimismo bate à porta, ui...
Coloco um penso rápido, daqueles que há agora, impermeáveis , mas como tudo o resto que é obra humana, tem defeito de fabrico.
Sinto um profundo cansaço.. de corpo, de mente, de alma...

segunda-feira, 29 de julho de 2013


Exactamente há um ano atrás, mais ou menos por volta desta hora, disse-lhe "boa viagem".
Mas, nesse momento, não sei bem explicar porquê (acho que sentimos essas coisas mesmo inconscientemente) algo me dizia que era mais um adeus... daqueles que se dizem não quando não esperamos ver novamente aquela pessoa, mas aqueles que se dizem quando as coisas nunca mais voltarão a ser como eram até então.
Hoje sei que foi assim.
Até hoje não sei que nome chamar ao que aquilo foi...
 Ainda que, durante um longo período, tivesse tentado entender e esclarecer a razão de ser da mudança de atitude, de cada gesto, de cada palavra ou silêncio que se seguiu, o certo é que nunca vi nos seus olhos nada escrito... as formas de comunicação hoje em dia são muitas e ainda que tenha chegado até mim a mensagem, dos seus lábios nunca ouvi nada mais que conversas de circunstância quando, mais tarde, nos voltamos a encontrar.

Podia, como fiz na altura, tentar encontrar uma justificação, tentar arranjar uma forma de explicar aquele comportamento, mas, como já disse uma ou outra vez, há coisas que não se explicam e deixei de tentar.

Há sentimentos que apenas nós sentimos... e todos os sentimos de maneira diferente...

Guardo alguns momentos em que desejei parar o tempo só para não deixar de sentir tudo aquilo que me invadia o peito... mas não olvido o sentimento de desilusão que experimentei quando me apercebi que nada daquilo era como eu idealizava... o sonho ainda comanda a vida.

Marcas ficaram, é certo... se assim não fosse, não estaria hoje aqui a escrever.
Mas já deixou de doer e, num exercício de retrospecção, não consigo precisar em que manhã acordei e vi que já não morava mais em mim...

Sei que todas as coisas acontecem por um motivo... e hoje sou, estou e sinto-me diferente de que era, estava e sentia há um ano atrás...

Ainda assim, não acho que tenha perdido a capacidade de amar só porque fez mossa, até porque não consigo amar de outra forma diferente daquela que sempre soube: entregar o coração e a alma sem limitações, sem receios, sem complexos e sem preconceitos...

quinta-feira, 25 de julho de 2013




Eu sabia...
Tinha quase a certeza, que isto iria acontecer.
Daí eu ter demorado tanto tempo para te dizer que sim, que te queria ver.
Protestavas, chantageavas, pressionavas...
Até que cedi.
Vê agora o que ganhei.
Uns olhos inchados de tanto chorar
Um coração partido
Uma vontade louca de desaparecer numa qualquer estrada da vida.
Voltei a esconder-me do mundo...
Destruiste-me a auto estima.

terça-feira, 23 de julho de 2013


A partir de 01/08/2013 este espaço passará a ser...


Quem estiver interessado em continuar a ler o que por aqui se rabisca, só tem de me informar via e-mail.
Até lá o Lírio deixará de transmitir...

Até já!!!
Será que perdi algo pelo caminho?...


Tenho a certeza que sim, mas não trocava o que perdi pelo que ganhei, nunca!
 Se faria alguma coisa diferente?
Talvez uma ou outra coisa, mas o essencial não mudaria...
 Não mudaria todos os sorrisos, todas as alegrias, todas as vezes em que não cabia dentro de mim de tanta felicidade...
Mas principalmente não mudaria todas as lágrimas que correram pela minha face, nem as que caíram nos ombros dos amigos,  as noites sem dormir, a angústia de não entender o que me estava a acontecer, o sofrimento, as conversas com a alma amiga na tentativa de ver o que estava mesmo ali em frente aos olhos, todas as noites frias em que voltava para casa sozinha, todas os dias em que apenas sabia que era dia porque estava sol, ou chuva, ou nevoeiro, todos os dias que desejei sentir mais que um vazio na minha alma...
 Que estranha eu sou?...
Nada disso, apenas tenho consciência de que foi isso que me fez ser hoje a mulher que sei que sou, com a certeza de saber quem sou...
Por isso não lamento o que poderia ter feito e não fiz... o que perdi e não ganhei...
Por isso não tenho receio do que vem por aí... seja bom, seja menos bom, seja o que for, que venha!
Aqui estarei para enfrentar, aqui estarei mais forte que ontem e mais segura que o dia anterior ao de ontem...
Aceito sem reservas, aceito sem condições, aceito sem questionar... aceito porque sei que fará parte da minha identidade o que experienciar hoje... aceito porque sei que mudará a minha vida...
 Balanços?
Deixo-os para quando me sentar numa cadeira de baloiço, com o gato a dormir aos meus pés e o calor da lareira a aquecer-me a alma...
Por agora, quero é viver!

segunda-feira, 22 de julho de 2013



"... e sexo? (...) para responder de forma mais minuciosa e honesta, é claro que ás vezes sinto desesperadamente esse desejo, mas decidi pôr esse jogo de parte por algum tempo (...). É claro que sinto a falta de ser beijada porque adoro beijar. (...) Mas, por agora, não vou fazer nada. Quando me sinto sozinha penso: Então fica sozinha, Liz. Aprende a caminhar na solidão. Faz um mapa dela. Senta-te com ela por uma vez na vida. Bem-vinda à experiência humana. Mas nunca mais voltes a usar o corpo ou as emoções de outras pessoas como poste coçares os teus próprios anseios não realizados"


Elizabeth Gilbert, in Comer, Orar, Amar.
Hoje só queria...


 
Another city, another place, another life...

The same heart, the same soul...


A new hope!

sexta-feira, 19 de julho de 2013

quinta-feira, 18 de julho de 2013

Por decisão da ONU desde 2010 que o dia 18 de julho é dia internacional de Nelson Mandela.

As Nações Unidas dedicam-lhe o dia numa homenagem à escala mundial.




Fica aqui a minha homenagem ao homem, ao político, ao empreendedor, ao Nobel da paz... and so, and so...
Para mim é uma das figuras mais importantes da história mundial recente.

Happy Birthday Mr Mandela

quarta-feira, 17 de julho de 2013


E quando tens a certeza que te estás a afundar, é hora de...


Saltar da carruagem...
Parar de falar...
Escutar com atenção...
E olhar para a merda que estavamos a fazer...

Mas principalmente é hora de deixar o comboio seguir em frente, sem nos preocuparmos se chegará ao seu destino, afinal já não fazemos parte da comitiva de embarque...

terça-feira, 16 de julho de 2013


Sabem aqueles dias em que acordamos de trombas, sem razão aparente?
(NÃO! Não é a TPM... Que mania de acharem que qualquer indisposição é isso…).
O dia anterior até correu benzinho, dentro dos limites da normalidade.
A noite de sono foi satisfatória... até o George Clooney apareceu no sonho para dizer que te ama...
(e depois até provou isso de diversas formas e posições)....
E no entanto, como num passe de mágica, levantas-te da cama com cara de quem comeu, não gostou, e ainda quer matar o cozinheiro.
Olhas-te ao espelho e tentas em vão esconder a cara feia, eleges preto como a cor do dia…
(e não é pelo quesito "sensualidade"... é pelo senso de "fatalidade" mesmo)!
Chegas à conclusão que não há maquilhagem que disfarce o olhar assassino, que impede até mesmo os bons espíritos de chegarem perto de ti.
(eu sei que o meu anjo da guarda aproveita para folgar nestes dias).
Perfume escolhido para disfarçar o azedume? "Red Hell"
(que é o teu destino se insistires em me chatear hoje).


segunda-feira, 15 de julho de 2013



Há momentos em que custa tanto dizer não, quando tudo o que mais queremos é exactamente o contrário...
Há momentos em que as palavras doem, mesmo antes de as pronunciarmos só porque sabemos que vão magoar alguém...
Há momentos em que é difícil querer estar perto e ter um oceano inteiro a separar...
Há momentos em que te apetece dar um abraço e dizer que tudo vai correr bem, mas a distância física a isso impede...
Há momentos em que custa tanto ser amiga assim... ausente, distante, impotente...


sexta-feira, 12 de julho de 2013


Muitas são as vezes em que os gestos dizem mais que as palavras...
Porém, dias há em que as palavras custam tanto a ouvir...
E as que foram pronunciadas não me saem da cabeça!



quinta-feira, 11 de julho de 2013

Vazio...




Chego à triste conclusão que sinto falta de alguém...
O copo vai a meio, as gotas que escorrem pelas suas paredes de cada vez que o levo aos lábios deixa um sabor a nostalgia na minha boca.
Só há um copo em cima da mesa... não dois...
O desejo de partilhar este momento chegou assim que bebi o primeiro gole; há prazeres, como este, que devem ser partilhados de quando em vez... sim, porque há dias em que não há melhor companhia que a nossa... contudo, hoje não é um desses dias.
Apetecia-me um ombro, um enrolar de outros dedos nos meus, um olhar, um beijo inocente...
E, para animar este sentimento, oiço ao longe o Paulo Gonzo a cantar os seus Jardins Proibidos - um aperto prende o meu coração...
Quantos jardins já não percorri... mas ainda não descobri o ponto de chegada neste labirinto por onde tem andado a minha alma... e ainda não me perdi naquele recanto aninhada a quem irei deixar que se perca em mim... ou perdi? ou deixei?
Sim, já me perdi e já deixei que se quisessem perder, o que nunca quis foi prender quem nunca se quis encontrar em mim... deixei ir...
Acredito que o que nos está destinado acabará por voltar, ou chegará sem aviso com aquela força que me fará perder novamente...
É certo que cada vez que o mapa é desdobrado e iniciamos a viagem das emoções, não sabemos de antemão onde vamos chegar... certo é que neste monopólio dos sentimentos, ninguém chega à bancarrota porque há muitas formas de amor... o amor romântico, o amor paixão, o amor ternura, o amor amizade...
Porém, neste momento era com o amor romântico que me apetecia dividir este copo de vinho...



segunda-feira, 8 de julho de 2013

Porque há momentos em que ceder é ganhar...




...


É de mim ou o pessoal anda todo assim um bocado insuportável?
E eu culpada me confesso...
Não sei, deve ser do calor e as férias que não chegam, do cansaço acumulado, do ter que levantar cedo para me enfiar no meio de papéis.
É que quando as pessoas andam assim, parece que se arrastam na cadeira, deambulam pelo corredor, o pé direito a pedir licença ao esquerdo para se mover, as pausas para café demoram muito mais que cinco minutos e só se ouvem suspiros... nunca mais são seis da tarde.
Eu por mim, ás onze da manhã dava bem o meu dia por terminado e vinha embora.
Roupa fresca, livro debaixo do braço, óculos escuros e que bem que eu ía para uma esplanada bebericar qualquer coisa fresca ou comer um gelado...
Ou então, havaianas nos pés, chapéu de sol e ter a areia e o mar como companhia...
Churrasco ao início da noite com os amigos, caipirinhas, boa disposição e noites que não querem ter fim...

sexta-feira, 5 de julho de 2013

...

NEM IMAGINAM COMO ESTA CANÇÃO ME ACALMA NOS DIAS TRISTES...



BOM FIM DE SEMANA PESSOAL...

.



Detesto pessoas que não sabem o seu lugar e pior, que não respeitam o lugar dos outros.
Que andam sempre de cara emburrada todo o dia só porque acham que as outras têm que ser só amigas delas...
Que não abdicam de uma boa peixeirada no meio da rua mas dizem que não querem armar escândalo...
Pessoas que fazem comentários inconvenientes apenas e só porque nada mais têm a dizer...
Pessoas que pensam, acham e firmemente acreditam que o mundo gira à sua volta...
Pessoas que fazem de tudo um motivo para discutir, para enervar os outros, para nos fazer passar da marmita e gritar...
Pessoas que ainda não descobriram que ninguém é exclusivo de ninguém e que o coração humano é grande o suficiente para albergar quem se sabe dar, quem sabe receber sem nada em troca pedir..
 Sabem do que estou a falar presumo...
 É caso para repetir o que um amigo meu diz:

"Pá, se não a andas a comer, não tens que a aturar".

Mai nada!

 O que vale é que é sexta... vá lá... :)

quinta-feira, 4 de julho de 2013

.



SOCORROOOOOOOOO!!!!!!!

O TICO E O TECO DESMAIARAM COM O CALOR.

....


EXPLIQUEM LÁ PORQUE ESTOU EU AQUI A TRABALHAR...


COM A TEMPERATURA DA ÁGUA NOS ALGARVES
ASSIM...

22 GRAUS... AIIIIIIIIIIIIIII


quarta-feira, 3 de julho de 2013

Seria bem mais fácil...








Seria tudo bem mais fácil se eu conseguisse apagar da minha memória e da minha alma esta ou aquela escolha que um dia fiz... e que na altura me pareceu a mais acertada, fui movida pelo entusiasmo em viver algo desconhecido, pela adrenalina que causava, o perigo que rodeava, a vã sensação que aquilo era bem mais que carência, era um sentimento nobre... e pior... recíproco...
My mistake!
Como eu o queria congelar para todo o sempre, naquela parte gelada no meu ser, aquela parte impercorrível, porque o caminho de lágrimas é demasiado torturoso para lá voltar.
Mas de vez em quando temos de parar e lembrar que afinal somos seres humanos e como tal erramos e fazemos coisas menos certas, afinal não somos um poço de virtudes, falhamos, temos defeitos... em suma, não somos perfeitos.
Seria tão mais fácil se conseguissemos arrumar tudo na nossa alma e no nosso coração.
Mas... parece que somos feitos de emoções, sentimentos, afectos... de paixões e ódios, angústias, medos e receios...
Existem marcas gravadas na nossa alma e no nosso coração que nunca se apagam, fazem parte de nós, da nossa história, da nossa maneira de ser... que contribuíram para o que somos hoje, e que seguramente, e sem falsa modéstia o assumo, fizeram de mim uma pessoa melhor.

terça-feira, 2 de julho de 2013

E hoje foi assim...



I feel like shit today…

truly,

madly,

deeply...



Constatação #1



Cada vez gosto menos que as pessoas gostem muito de mim.
Gosto cada vez menos que se "agarrem" a mim, que me queiram tanto.
Não gosto que coloquem demasidadas expectativas sobre as minhas costas, que me achem perfeita.
Tudo bem que tento estar ao lado dos meus amigos, que dou tudo o que tenho e o que não tenho, que não sei fingir sentimentos, e que as pessoas que se aproximam é porque gostam da minha maneira de ser.
Sou verdadeira.
E não tenho medo de dizer o que for preciso.
Mas com o tempo aprendi a despegar-me das pessoas.
Por isso assusta-me cada vez mais sentir que se apeguem a mim.
Por mais que seja bom ver que me dão valor, eu não quero desiludir ninguém quando descobrirem que eu não sou tão perfeita como julgam, e que também falho como qualquer pessoa de carne e osso.
É que exigem de mim coisas que eu nunca disse que sabia dar.
E isso deixa-me mal, por deixar os outros mal.
É por isto que gosto cada vez menos que gostem de mim, ou pelo menos que gostem muito. Porque se eu cometer um erro não me atiram pedras, atiram-me logo um pedregulho.
E porquê?
Porque era eu.
E eu não era suposto errar...
Para os outros não erro.
E depois?...
Depois é:

'' Magoaste-me tanto com essa atitude. Logo tu, nunca pensei isso de ti.''

Parabéns, também nunca pensei muitas coisas de mim, nem de ti, nem dela, nem dele, nem do mundo, e vou levando com elas à mesma.
E agora?
Acham que já não sou boa pessoa?
Por incrível que pareça e ao contrário de tanta gente que quer que gostem deles, que os adorem, que os idolatrem,  eu não quero nada disso. 
 E agora?
Já não gostam muito de mim?
Ainda bem, era mesmo isso que eu precisava de ouvir.



segunda-feira, 1 de julho de 2013

AZAR É...
IR NORMALMENTE PARA A ILHA DESERTA, E NO DIA QUE ESCOLHO OUTRA PRAIA APARECE ISTO POR LÁ...



PRECISO DE IR À BRUXA :))