sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Happy new year


 


Não era para haver balanço mas depois achei que não há ano que não mereça um. 2016 foi um bom ano. Não me apaixonei mas mantive os que mais amo perto de mim. Vivi tristezas que não eram minhas e outras que chegavam para me dar um certo abalo. Concretizei sonhos, tremi de medo, venci com fé. Estreitei laços, diminui outros mas no final fiquei feliz por não perder ninguém. Ouvi elogios e críticas que me marcaram, fiz outras tantas com a dura sinceridade que quero que me continue a caracterizar. Falei demais, disse e senti coisas sem sentido influenciada pela raiva ou pela alegria desmedida. Senti ciúme. Mas não me senti a última dança de alguém. Parei de procurar. Desanimei. Quis estar fechada em casa como quis sair para todo o mundo me ver. Quis que me vissem com os meus olhos. Desiludi-me. Senti frio na barriga, pouco, mas senti. Fiz planos, adiei outros. Mas nunca desisti de nenhum que de facto acreditasse. Tracei objectivos. Senti amor. Dei amor. Tomei gestos de ternura que talvez nunca ninguém vai perceber que tomei. Talvez tenha sido alvo de outros, não sei. Mas o que conta é que as atitudes ficam com quem as toma, já dizia o meu pai. Dei gargalhadas de fazer doer a barriga. Chorei em vários caminhos até casa. E dei graças por sempre ter onde chegar. Percebi, com uma certa tristeza, que apenas atraio homens pobres e não é que procure a riqueza mas, caraças, gostava tanto que me pagassem um café. Disse disparates, dos grandes. Calei outros por aprender aos poucos que tenho de pensar antes de dizer. Porque nem todos têm a obrigação de nos conhecer e depois lá vêm os mal entendidos. Aprendi. Aprendi. Aprendi. Caí. Dei voltas e mais voltas para chegar a sítio nenhum. Senti falta. Senti um bocadinho de saudade. Porque é sempre apenas um bocadinho. Orei por mim, pelos meus e por quem não conhecia. E certa vezes por quem não merecia também. Resmunguei. Disse mal. Deixei de comer carne e já me ri muito com isso. Comecei um vida mais saudável e não engordei mais do que 1kg. E por isto, e muito, muito mais, só tenho é de agradecer. 2016 foi um bom ano, que foi. 
Venha 2017.


Feliz Ano Novo!


terça-feira, 27 de dezembro de 2016

Sempre se ouve dizer que as mulheres são complicadas





Mas ninguém me tira da ideia que quem deveria ter livro de instruções são os homens. Ou eu tenho uma sorte do caraças de levar com os que, de facto, precisavam de um. O olho verde do gym já tem nome: Lince. Correcção, lince. As maiúsculas são apenas para quem merece. Acho que já vos falei dele, do flirt do gym, e não era da minha cabeça não, que se até o meu primo de 18 anos reparou, tinha de estar muito na cara. Ele detesta ver alguém a atirar-se à prima. "Não Isa, eu vou escolher um homem para ti", disse-me uma vez. Eu compreendi, até porque neste momento parece que não os sei escolher, e choramos a rir juntos. 
ok, voltando ao foco. 
A dúvida pairava entre se o lince tinha ou não namorada, se era canalha, um pouco confuso ou se, finalmente iria cair aos meus pés. Não caiu, mas com a grande rasteira que me apetece pregar-lhe, não deve faltar muito não. Ontem, entre amigos pude apreciar a cena. E que ele tem uma história muito mal resolvida com uma outra moça, lá isso tem. Não mostram a afinidade que um casal mostra mas entre boleias e insinuações, meus caros, ali há coisa. Mas então, qual o interesse dele em fazer o joguinho do vai que não vai no gym? Qual a intenção dele em olhar no fundo do meu olho e dizer que está bem porque eu cheguei? Qual a estupidez que faz com que tente jogar em dois campeonatos ao mesmo tempo? Pobre homem, talvez nunca lhe tenham ensinado que isso é para amadores. Que jogador profissional joga num único campeonato e, se tivermos muita sorte, por amor à camisola. Pelo menos percebi que Eu mereço um desses. Que Eu mereço melhor. Mesmo que isso signifique esperar uma vida inteira.

quarta-feira, 21 de dezembro de 2016

Afinal...como sou???? quem sou???




Impulsiva... Bastante!!!
Consciente que alguns actos me podem levar a erros, mas sem eles não poderia aprender e dizer "ok, já não volto a fazer isto", e claro voltar a agir (in)conscientemente em determinadas situações que me oferecem momentos de puro delírio, mas que se lixe, eu gosto de sentir a adrenalina....! 
Se me apetece...faço!
  Directa é outra faceta que jamais mudarei. Quem gosta....gosta, quem não gosta, azar. Já ganhei muito por ser assim, mas admito que também já tive o reverso da medalha.
Não tenho que mostrar o que não sou, para garantir objectivos.
Eterno coração de manteiga serei sempre, raios!!! Quem me conhece sabe que é verdade. Basta um pequeno gesto, uma palavra...e pronto, derreto-me, o que acaba por vezes por contrastar com a imagem que várias pessoas têm de mim, ou seja " a durona". Totalmente falso.
Desconfiada....hummmm.....sou. A vida ocupou-se de me ensinar a sê-lo.
Teimosa! Do pior! Mas quando me provam o contrário, sou a primeira a dar o braço a torcer.
Rancorosa, não sou, embora tenha consciência que pode por vezes parecer que sim, mas após "análise", sei que não sou.
Impaciente. Sou, por vezes pareço uma miúda a roer as unhas quando espero algo que quero muito e nunca mais acontece..., mas tenho a minha dose de paciência, confesso.
Observadora. Sou, bastante. Registo o que se passa à minha volta, quer sejam lugares, pessoas, palavras, etc etc etc.
Ponderada? Nem sempre...
Bem disposta? Ahhhhh isso sou.
Dose de loucura? Nannnnn.....e era mesmo eu que ia contar!!!!
Orgulhosa? Sou sim, por vezes, e digo várias vezes também que tenho orgulho no meu orgulho...

.
Bem, poderia enumerar muito mais, (ohhhhhh se tenho muitos mais...) mas....não quero!....... :)

Feliz Natal minha gente...

quinta-feira, 15 de dezembro de 2016

Já me sentei demasiadas vezes naquele banco



 E esperei...
 mas tu nunca chegaste.
 Acabei por desistir de ti...
 Está demasiado frio.
E eu estou demasiado cansada.