terça-feira, 29 de dezembro de 2015

Ainda sobre o Natal...


Não foi por serem os meus bombons favoritos, muito embora não seja difícil com eles derreter qualquer coração. 
Foi por deitares abaixo todas as minhas defesas com um único gesto, num espaço de breves minutos. 
O segredo está no saber surpreender, e tu, seja por que motivo for, fizeste-o. Não consigo decifrar as tuas motivações, apenas me disseste que me deveria sentir uma privilegiada. 
Também não sei o que isso significa dada a tua nuvem cinzenta mas pensar em alguém, sair de casa e comprar-lhe os bombons preferidos tem de ser no mínimo especial. 
Lamento a presunção. 
Paraste-me o cérebro. 
Raios! 
Como odeio que isso me aconteça, fica tudo tão perigoso. 
Mas foi inevitável o brilho da cor dourada não reflectir nos meus olhos. 
Se tivesse havido espaço para pensar, eu não teria, por puro impulso, dado aquele abraço e tu não estarias com um ar tão feliz por me ver de igual maneira. 
Talvez não sejas mais do isto mas entraste assim na lista dos poucos que em algum momento me baixaram as barreiras. 
Para quê mentir? 
Surpreendes-te-me porra. 
E nem imaginas como eu adoro surpresas.


{save the last dance for me}

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

Constatações soltas...


Acordei à hora que quis, cozinhei o almoço que me apeteceu. 
Vi o filme que quis.
 Saí com quem me apeteceu.
Bebi quantas quis.
Voltei à hora que me apeteceu. 
E mesmo que esta liberdade seja maravilhosa com "eme" maiúsculo,
descubro que não sei muito bem o que fazer com ela. 
Começo a sentir falta da presença de alguém que nem sei se existe...

quinta-feira, 24 de dezembro de 2015

Boas festas

A todos os meus Amigos quero agradecer a amizade e desejar um Feliz Natal… desejo-vos o Melhor… porque só assim, com calor humano no coração, sentirão em todos os momentos a beleza da felicidade da vida… tudo de bom.


quarta-feira, 23 de dezembro de 2015

Já partiste há dois anos...

Mas foi ontem que te fui ver ao hospital.
Foi ontem que me abraçaste com a força de quem queria vencer um inimigo invencível.
Foi ontem que ficamos de mão dada, olhos nos olhos e lágrimas descontroladas.
Foi ontem que te prometi que voltava hoje...
Não me deixaste cumprir a promessa...
Partiste de madrugada, à hora que partem os corajosos.
Dispensaste choros inúteis e palavras sem sentido.
Simplesmente deixaste-te ir...
Levaste contigo o sorriso da tua bebé e o olhar do João, ou seria o olhar da tua bebé e o sorriso do João? Dizias que era tudo igual... pai e filha.
E são mesmo...
A Vitória cresceu, tornou-se uma linda menina.
Já faz o pino, sabias?
O João capta orgulhosamente cada detalhe do crescimento dela, como que à espera que entres a qualquer momento em casa e terá lá tudo para te mostrar.
Depois envia-me as fotos, e eu procuro nelas a tua presença.
Mas não te encontro...
Apenas a meiguice a denuncia, e é quando ela me abraça que te volto a encontrar.
Sabes Maria? Aquela treta de que o tempo cura tudo, é mentira... 
O tempo não cura, apenas ameniza a dor, torna-a mais suportável.

Até um dia...

 Cuida da minha mãe!
 

segunda-feira, 21 de dezembro de 2015

Ou soma...ou some

Imagina dois ímanes de pólos opostos. 
Enquanto afastados nada sentem, não se importam com a presença do outro, nada acontece. 
Mas à medida que se aproximam há uma qualquer atracção irreversível, irresistível. 
É isto que é estranho em nós e tu não percebes ou todos os outros percebem errado. 
Não, não confundas com amor ou qualquer outra paixão. 
Chamo-lhe apenas de interesse, aquele sentimento estranho em que se ficas provavelmente passa mas se vais é certo que te perdes. 
Por enquanto somos ímanes e tu não percebes ou todos os outros percebem errado. 
Ninguém promete nada mas parece que em algum momento um de nós cobra atenção ou um destino mal definido. 
Eu vou mais longe e cobro a tua cobardia mas isso já é comigo. 
Imagina uma escala de temperatura. 
Temos os extremos bem definidos e um meio por definir. 
É isso que é tão diferente em nós e ambos percebemos mas fingimos que são detalhes. 
Eu sou o quente ou o frio, tu vives no eterno morno. 
Chamar-lhe-ás de segurança? 
Eu chamo-lhe de indecisão...mas isso já é comigo. 
Prometo afastar-me de uma história mais hipotética do que real, e começo por fazê-lo bem. 
Há um travo amargo que te dou a provar e parte de mim se sente a maior por isso. 
Mas parecendo pressentires aproximas-te, vais mais longe, agora até usas o meu número de telefone. 
Qual clichê de um drama romântico, não fosse o nosso um enredo que nunca aconteceu. 
O que queres afinal? 
Responde-me, antes que eu me recuse a sair deste extremo.


{savethelastdanceforme}

quinta-feira, 17 de dezembro de 2015

O menino Jesus está de castigo...

...Este ano não sai do armário.
Não me apetece.
Perdeu-se a magia.
Não há velas acesas, nem luzes a piscar, nem árvore decorada. 
Boicotei o Natal.
As figuras não vão ter o lugar de destaque no hall de entrada.
Nem a Maria loira e alta comprada na Baviera.
Nem o José negro adquirido no Quénia.
Nem Jesus bebé  de tez clara e olhos tentadoramente azuis, encontrado abandonado no fim do Marché aux Puces em Paris.
Nem sequer os animais comprados por aí, onde quer que a minha mãe fosse.
 
(confesso que sempre me fez alguma confusão o menino Jesus não ser mulato, mais tarde vim a descobrir que o José nada teve a ver com o assunto.)

Pela descrição já deu para notar que não era um presépio convencional. 
Mas era nosso, feito com o carinho da minha mãe, sempre com um toque especial.
Este ano ela não me vai massacrar até eu ir com ela ao campo apanhar musgo.
Este ano a minha cozinha não vai ter os cheiros agoniantes de fritos e bolos.
Os convidados para a ceia não vão chegar...
A mesa vai ficar vazia...
A toalha com azevinhos  fica na gaveta.
Não existem prendas escondidas, nem meias espalhadas pela sala.
Resta-me pedir um desejo: Dormir dia 23 e só acordar em 2016.

Sinto tanto a tua falta...
 
 

 
 

quarta-feira, 16 de dezembro de 2015

Previsões do meu signo (Leão) para 2016

"Lembras-te de todas as tuas festas de anos, nas quais só estavam as tuas tias com buço e os teus primos ranhosos porque os teus amigos estavam todos de férias? 
Yaaaa, este ano não vai ser diferente."

Ora bem... nada tenho a acrescentar... 

sexta-feira, 11 de dezembro de 2015

Flagrantes da minha vida real

Hoje...
Na minha ida semanal ao cemitério,  constatei que tenho mais amigos e familiares lá do que cá. ..
Esta realidade deixou - me devastada. 

sexta-feira, 4 de dezembro de 2015

Que fique claro...

(só para avisar que a moça sexy e boa não sou eu. Não vá o anónimo de estimação ter um orgasmo pelas orelhas)

Eu não aturo o mau feitio de ninguém
para mim, o meu já é suficiente.

quinta-feira, 3 de dezembro de 2015

Existem dois tipos de mulheres



    As que gritam para chamar a atenção 
e aquelas que chamam a atenção sem dizer uma palavra..
                                                                                                                                  


                                                                                                             Adriano Hungar

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Na voz de quem sabe...

"Se o amor da minha vida não chegar, vou publicar todos os meus casos de amor. Em de-ta-lhes. (...) Vou chorar com as amigas, fazer bolo de chocolate, depois vou para o ginásio. (...) Vou comprar batons de várias cores chamativas e misturar com roupas de cores diferentes. (...) Vou alugar um apartamento só meu. (...) Vou começar a decoração pelos quadros. Vão ser fotos profissionais e inspiradoras por todos os lados. E fotos das minhas diversões ao longo da vida. Vou ter uma cama de casal para poder levar quem eu quiser. E o lençol tem que ser branco. Não vou precisar decidir se vou casar ou comprar uma bicicleta. Eu vou comprar uma bicicleta e pronto. A minha casa sempre vai ter gente, mas nalguns dias eu vou preferir ficar sozinha a ler um livro (...) Nalgumas noites vou tomar leite com chocolate vestida com meu casaco de lã. Ver aquela comédia romântica pela décima vez e dormir antes de chegar o final, que é a parte mais previsível. Outras noites eu vou sair. Vou chegar sempre por volta das 23h, porque eu vou estar envolvida em vários projectos artísticos e sempre envolvida com várias pessoas. A noite é feita para aqueles que ainda não encontraram o amor da sua vida. (...)

Eu vou viajar quinta à noite sem avisar ninguém (só meu chefe), porque um amigo conseguiu alugar uma casa aqui pertinho. Eu vou juntar dinheiro, fazer uma viagem por toda a Europa.

Todos os dias vão ser diferentes. (...) Sexta eu vou chamar as minhas amigas para fazer uma comida diferente em casa. Domingo eu vou fazer um almoço para aqueles que eu mais gosto, depois vou ao cinema assistir um filme de culto que eu não entenda nada. Noutro fim de semana eu vou sair para dançar, tomar umas bebidas diferentes e voltar para casa sozinha, mas com o coração cheio, porque sair só para dançar é uma das coisas que me deixam mais completa. (...) A gente gosta de se sentir bonita, viva, feliz e desejada, mas isso não quer dizer que queremos sair de lá com um homem qualquer. (...)

Noutros fins de semana eu vou para a praia cedinho, vou fazer sumo verde e fingir para mim mesma que agora eu me tornei saudável. E já que um grupo de bons amigos é tudo que uma pessoa solteira precisa, é com eles que vou dividir os meus dias, por mais que todos comecem a casar-se. Vou estudar (...) Quero entupir-me de conhecimento e de pessoas que me aquecem o coração.

Enfim, vou descobrir que de nada vale encontrar o amor da minha vida se eu não viver o melhor da vida comigo mesma. Então, se ele não chegar, eu vou viver a minha vida como eu sempre vivi, sem esperar um feliz para sempre e investindo no feliz agora. Vai ter espaço para muito amor, por mais que eu me sinta sozinha em alguns dias, por mais que me olhem com cara de pena, por mais que achem que eu me envolvo com várias pessoas para preencher esse vazio. Mas não tem vazio nenhum, é só muito amor para dar e pouca vida para ser desperdiçada.

E se por um acaso isso do amor da nossa vida existir, eu vou saber quando ele chegar porque eu não vou precisar abrir mão de nada disto.

[Marcela Picanço]

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Porquê?





Porque me apeteceu deixar escrito o quanto estes meses nos aproximaram de uma forma que me deixa feliz.
Foi (é) o saber que estás lá, que basta falar e tantas vezes basta apenas olhar...
Nos momentos bons e maus, nas horas em que apetece deitar fogo aos papéis para ver se eles saem de cima da secretária, nos momentos em que nos partimos a rir com a nossa própria desgraça porque percebemos que eles só sairão quando os despacharmos.
Nos momentos em que o meu rosto fechado entra no gabinete e perguntas logo o que se passa...
No ombro que está sempre lá, na palavra amiga e tantas vezes tão mais adulta que a minha, confesso...
Quando dizes: mas não tens motivos para estar assim... já vais entendendo esta alma insatisfeita que eu tenho, esta mania de escrever o argumento e realizar filmes inacreditáveis.
E as gargalhas... a boa disposição no trabalho, como dizia alguém no outro dia...
A companhia, o abrires-me a porta da tua casa, da tua família, da tua vida e deixares entrar, sem pedir, sem cobrar nada em troca...
 Vou sentir falta sim...
Do chá na máquina no início da manhã, dos almoços, de "irmos ver as montras",  da paciência em ficares comigo à porta enquanto desabafo, dos jantares... das risadas à conta desta ou daquela situação que nos passam nas mãos todos os dias, de partilhar a sobremesa...
 Vou sentir falta sim...
De ti...
Pelo que és, como és e como te sinto... amiga...

terça-feira, 24 de novembro de 2015

Este blog tem uma regra, não fala de politica, futebol e religião...

Mas...
Toda a regra tem excepção.

  O Costa conseguiu o tacho

Foi uma vergonha não ter nomeado o Jerónimo de Sousa para ministro do trabalho, de certeza que ele as críticas que fez ao longo dos anos vai revolucionar a taxa de desemprego em Portugal, Mário Nogueira para ministro da educação ele é um grande professor apesar de não dar aulas há mais de vinte anos, Catarina Martins para ministra das finanças visto que ela entende muito disso.
E é isto... estamos bem governados.

Geograficamente falando... (tem tudo a ver com duches D. Nina)




 (aviso já que a moça boa e sexy da foto não sou eu, não venham já insultar-me, sim?)

Oito e meia da noite, 15 graus a aquecer o ambiente, chegámos ao balneário do ginásio depois de 50 minutos a tentar domar a bola, diga-se, enorme, prontas a relaxar.
Eis que somos então presenteadas com uma aula de geografia à borla.
Que é que pensam, isto não é para qualquer um... E dada a qualidade do espaço, outra coisa não seria de esperar.
Duas miúdas com os seus 20 e poucos anos conversavam animadamente, alto e bom som, com o seu tom meloso e arrastado, qual imitação rasca de tia de Cascais (sim, porque aqui é província mesmo).
E se a melodia que se fazia ouvir já nos punha os nervos em franja, então o teor da conversa era de bradar aos céus.
Vira-se uma para a outra e diz:

- Mas inscreveste-te em quê?
- Nem sei, estava lá afixado na secretaria.
- Mas isso era o mestrado.
- Ai era, não reparei...então e tu não te inscreves?
- Eu quero ir embora daqui, quero ir para fora, para o estrangeiro.
- Mas estás a pensar em que países?
-  Nem sei, tipo Alemanha ou Barcelona, sabes que eu gosto muito de Barcelona...
(primeira lição de geografia)!
- Há também um país, Bruxelas, lá para as comunidades europeias, onde também há lá umas coisas...
(segunda lição de geografia)!
- Ah....
(terceira lição de geografia)!

(mudança de assunto)

- Sabes, comprei a Happy de Dezembro e marquei aquilo
(ainda não sabíamos o que era aquilo mas estávamos desejosas, será que seria naquele país chamado Dubrovnik, lá para as comunidades europeias???)
- Ai foi, e para onde?
- Reservei um fim-se-semana, com 50% de desconto no Vila Galé.
(forreta pá...)
E vais com ele?
- Sim, no dia dos namorados..


E eis que o dito, talvez por pressentir que estavam a falar dele, telefona.
Bem, a conversa mudou de tom... a miúda parece que ia derreter tal e qual um torrão de açúcar acabado de mergulhar num copo de leite...
Olhámos uma para a outra e antes que desatássemos a rir, tamanha era a vontade, fomos refugiar-nos nos duches...
É que nunca vimos tanta burrice junta por metro quadrado.
E é com tamanha sapiência que as futuras gerações pretendem tirar o nosso país da cauda da Europa... acho que também vamos para o estrangeiro ;)
Mas, e que país escolher?