quarta-feira, 30 de abril de 2014



Qualquer dia eu volto...
Para deixar escrito o que tantas vezes é sentido e não pronunciado...
Para colocar em palavras o que tantas vezes os gestos são incapazes de descrever...
Para falar das cores, do sol, da chuva, das estações do ano, do que gosto, do que não suporto, do que me aborrece, do que me entusiasma, do que me faz chorar e rir ás gargalhadas, do que  comove e enternece...
Para falar de tudo e de nada...
Qualquer dia eu volto...
Mas não já...


quinta-feira, 24 de abril de 2014


Não te armes em escritor e não penses que és poeta,
na verdade não passas de um artista de rua...


Sintam, como eu senti...


Muita tristeza :(

quarta-feira, 23 de abril de 2014



Escreve-me...
Escreve-me a todas as horas. Não desistas de mim e lê-me. Lê-me porque só tu o sabes fazer como nenhuma sombra, nem mesmo a minha (que anda perdida há uns bons anos), o sabe fazer.

Descobre os meus sonhos e tenta adivinhá-los como se os tivesses sonhado também e não deixes de gostar do meu mistério porque ele vai ser sempre uma boa parte de mim. Procura-o em todas as minhas linhas, em todas as minhas frases. Eu sempre fui de meias frases e sempre precisei de alguém que as completasse mesmo sem dizer nada.
Pareço-te muito livre, pensas tu. Eu sei. Pareço-te muito livro fechado em dias de chuva mas não; sou um livro aberto. Cheio de luas, cheio de fases e faces e lados errados. Não deixes de os tentar descobrir.
Lê-me.
Sou um livro de páginas que cheiram a mofo mas que têm muito para te dizer.

terça-feira, 22 de abril de 2014


Podes invadir o meu espaço, ou até podes chegar delicadamente, mas não tão devagar que me faças dormir.
Nunca grites comigo, tenho o péssimo hábito de revidar.
Normalmente acordo de bom humor, mas deixa-me ao menos escovar os dentes... Toca-me nos cabelos, e mente-me sobre a minha estrondosa beleza.
Espero que tenhas vida própria, e que me faças sentir saudades.
Faz-me rir, mas não me contes piadas preconceituosas, detesto!
Espero que viajes muito antes de me conhecer, que já tenhas sofrido, para reconheceres em mim um porto de abrigo.
Acredita nas verdades que digo, e também nas mentiras, elas serão raras, e sempre por uma boa causa.
Se eu estiver triste, respeita o meu choro, volta só quando eu te chamar, e não me obedeças sempre, ás vezes gosto de ser contrariada.
(Então fica comigo quando eu chorar, combinado?)
Espero que sejas mais forte que eu e menos altruísta!
Não te vistas sempre bem, gosto de camisas por fora das calças, gosto de ver braços, pernas e percoço a descoberto.
Espero que gostes de ler, e escolhas os teus próprios livros, que ames a noite sem te escravizares nela.
Não quero que sejas meu pai, nem meu filho, escolhe um papel para ti que ainda não tenha sido preenchido.
Enlouquece-me nem que seja uma vez por mês.
Que gostes de música e de sexo.
Não inventes de ter muitos filhos, de me levar à missa, ou de me apresentar a toda a gente... veremos depois.
Deixa-me conduzir o teu carro que tanto gostas, quero ver-te nervoso, inquieto...
Olha para as mulheres bonitas, sai com os teus amigos, façam  e digam disparates juntos.
Não me contes os teus segredos, faz-me massagens nas costas... não fumes, nem bebas em excesso.
Chora quando tiveres vontade, prometo secar-te as lágrimas.
Mas se nada disto funcionar... experimenta amar-me!



segunda-feira, 21 de abril de 2014


Alguma coisa muito estranha se passa no meu local de trabalho... a máquina fotocopiadora que está aqui no hall antes do meu gabinete está a tirar cópias sozinha...

Uhhhh, ca medo....


Não sei se é pelos livros que leio, pelos filmes que vejo ou pelas séries que acompanho.
Mas quando se trata de amor agora torna-se tudo mais exigente.
Não sei se é pela idade, pela maturidade ou experiências passadas, mas quando se trata de homens, já não suporto meninos.
Não sei se é carisma, defeito ou feitio, mas quando se trata de aventuras já não me servem as dos dias contados...
É que isto de querer alguém, ou de achar que já é hora de querer alguém não é fácil.
Porque há momentos em que o amor se torna num enorme preconceito!
 

(Assim sendo, fico-me pelo meu Benfica que só me dá alegrias... SLB, SLB, SLB...GLORIOSO, SLB...)


quinta-feira, 17 de abril de 2014


Desejo-vos uma Páscoa muito docinha...


Portem-se bem e até segunda... :)


Descobri que o mundo está cheio de imbecis
e  pior que tudo... têm tempo de antena...
Um bem tão precioso...

quarta-feira, 16 de abril de 2014


Conversas ao almoço

com amigas assim...




(...) por acaso mereces alguém que te faça feliz, tu mereces!
Tens é de aceitar que essa pessoa vai ser barriguda, baixinha, com bigode e careca.

(...) Um dia apareço-te com um moreno, alto e espadaúdo e ainda te obrigo a fazer-lhe uma vénia...



Para me julgares, primeiro tens de vestir a minha pela, viver a minha história, sorrir com os meus lábios, chorar o meu pranto, sofrer a minha dor.
Para me julgares, precisas sentir o que eu sinto, tens de entender os meus motivos e aceitar-me como eu me aceito.
Para me julgares, precisas de muito mais que apenas conhecer-me, não te basta saber o meu nome, ou ter escutado a minha voz algumas vezes…
Afinal não vês o mundo da mesma maneira que eu vejo.
Não sentes o vento através da minha pele.
Não te emocionas com o que me faz chorar, não sentes o que eu sinto.
Não tens capacidade para relembrar das minhas dores, os meus momentos, as minhas alegrias, porque simplesmente não as viveste.
Assim sendo não tens o direito de julgar-me pelo que fiz ou deixei de fazer.
Apenas gostava que tivesses o bom senso de me entender e respeitar.
Agradecida, sim?


segunda-feira, 14 de abril de 2014


Eu sei...
Muito do que escrevo parece-vos "chinês".
Mas bolas... precisa ser tão à letra?

  

No Natal recebi este presente muito original - Ouch- Um paliteiro em forma de boneca de Voodoo.

Quem me conhece, sabe que não perco tempo a desejar mal a ninguém.
Não que às vezes não mereçam, mas é uma profunda perda de tempo.
Não tem nada a ver comigo esse tipo de coisas.
Costumo dizer que a melhor forma de "desejar mal" a alguém é ignorando a pessoa por completo.
Este presente dá-me muita vontade de rir. Tenho-o na minha secretária e, se fizer algum efeito, que sirva para me proteger em todos os poros.



sexta-feira, 11 de abril de 2014


Se há coisa que faço bem (para além de dormir exemplarmente) é desenrascar-me, à grande e sobre pressão, perante os clientes.
Para aquela pergunta inesperada, indesejada e cuja verdade não pode ser respondida, o meu cérebro encadeia rapidamente uma série de raciocínios nunca antes pensados e eis que me sai uma resposta, séria, definida e segura, suficientemente técnica e passível de crédito, que me faz descalçar a bota, respirar fundo e até convencer o chefe.


De 1 a 10 hoje dava-te um 11, só não te dou 12 porque não sorriste...

Quando me finar vou legar o meu cérebro à ciência.
As ideias que me passam pela cabeça de vez em quando...
Irei por certo representar no futuro um grande contributo para a humanidade.


quinta-feira, 10 de abril de 2014


Coisas sobre mim #1



1) Entro especialmente em introspecção quando conduzo.

2) Tenho um gosto musical que varia entre a possibilidade de conquistar um homem extremamente sedutor, ou um travesti de Panamá.

{para a semana há mais... me aguardem:)}

Sexo Anal


Ahh pois é...


Vieram logo espreitar né?
Se eu tivesse falado do orçamento do estado ou no corte das reformas vocês estavam-se nas tintas...

Assim vai o país... 

{nem desconfiaram do facto de eu nunca usar títulos}

(Não liguem, falta de inspiração dá em loucura)

quarta-feira, 9 de abril de 2014


Gosto tanto... mas tanto, do Facebook...

Que já lá não ía há 3 meses... fui hoje...


E acho que só lá vou voltar daqui a 3 meses...

Só para saber se entretanto o pessoal já mudou de namorado(a) outra vez.

Adoro este meu lado maquiavélico :)

terça-feira, 8 de abril de 2014



O facto de eu dizer palavrões não quer dizer que sou sempre mal educada.
É que há momentos em que só um "puta que pariu" resolve...



segunda-feira, 7 de abril de 2014



Costumam perguntar-nos o que queremos ser quando crescermos...
Eu acho que a pergunta  devia ser reformulada.
O que queres fazer quando fores grande?





hummm... quero modelar o mundo com as minhas mãos.

sexta-feira, 4 de abril de 2014


Conversas ao almoço...

Amigas: Este ano vamos de férias num cruzeiro.

Eu: NÃO!

Amigas: Opahh... então?... era diferente do normal, seria fixe.

Eu: NÃO!

Amigas: Porquê? Estás a ser cortes, é tão giro...

Eu: Giro? Não vejo onde está a piada, não sou rum para ser agitada.

Digam-me, qual é a piada disto...





Por vezes tomamos atitudes que podem mudar tudo na nossa vida.
Arriscando tudo para tentar ser feliz, mesmo sem a certeza que vai dar certo confiando em juramentos.
Acreditando em palavras, vivendo de boas lembranças.
Juramentos que podem ser quebrados no dia seguinte, palavras que podem ser falsas.
Palavras que saem da boca apenas nos momentos de felicidade.
Lembranças que podem ser esquecidas.
Por agora chega.
Palavras para mim... são apenas palavras!


quinta-feira, 3 de abril de 2014



Sempre tive muito medo de estar sozinha, ficar sozinha, de ser sozinha…
Mas ao longo da vida descobri que a solidão é um estado de espírito, e do que eu tinha realmente medo era de perder as pessoas que amo. Só mais tarde descobri que me podia perder também, e que a vida é um círculo vicioso, mais dia, menos dia eu vou inevitavelmente esbarrar com a tão temida solidão.
Sempre  fui a favor de muitos amigos, muitos lugares, muitos livros, muitas músicas, família grande, telefones tocando, de mil coisas para fazer, de fazer girar o mundo, no fundo tinha medo de me sentir sozinha, não falo de estar sozinha, isso por vezes é natural, mas sentir-me sozinha… isso sim é tenebroso.
Porque sentir-me sozinha é não ter ninguém para ligar, estar sozinho é ligar para alguém e saber que do outro lado alguém vai atender.
Porque sentir-se sozinha é não ter amigos, estar sozinho é saber que temos amigos que correm para nos ajudar se precisarmos.
Sentir-se sozinha é engolir o choro, estar sozinha é saber que algures existe um ombro onde podes desabar… e por aí vai…
Talvez esta minha mania de escrever tudo o que me vai na alma seja o medo que eu tenho de me sentir sozinha. Talvez hoje eu escreva porque sei que alguns leitores me vão dar a sensação que não estou sozinha…
Vá-se lá saber… sobrou para vocês J


quarta-feira, 2 de abril de 2014


Gajo que é GAJO não sabe que o Galliano saiu da Casa Dior...
Não é?
Pois...
Bem me parecia que era fruta a mais... e daí... talvez não!



  Hoje estou num daqueles dias em que me apetecia ter acordado num sítio diferente, podia até nem ser muito longe, nem ter praia, nem o tão desejado calor, mas a luminosidade tinha de ser diferente, a vista tinha de ser distinta, a cama, o quarto, a varanda tinha de me chamar a atenção para outros pormenores e as rotinas tinham de ser compensadas com o oposto, pelo simples prazer de uma diferença diferente….


terça-feira, 1 de abril de 2014



"Não te apaixones por uma mulher que lê, por uma mulher que tem sentimentos, por uma mulher que escreve... Não te apaixones por uma mulher culta, maga, delirante, louca. Não te apaixones por uma mulher que pensa, que sabe o que sabe e também sabe voar, uma mulher confiante em si mesma.

Não te apaixones por uma mulher que ri ou chora quando faz amor, que sabe transformar a carne em espírito; e muito menos te apaixones por uma mulher que ama poesia (estas são as mais perigosas), ou que fica meia hora contemplando uma pintura e não é capaz de viver sem música .

Não te apaixones por uma mulher que está interessada em política, que é rebelde e sente um enorme horror pelas injustiças. Não te apaixones por uma mulher que não gosta de assistir televisão. Nem de uma mulher que é bonita, mas, que não se importa com as características de seu rosto e de seu corpo.

Não te apaixones por uma mulher intensa, brincalhona, lúcida e irreverente. Não queiras te apaixonar por uma mulher assim. Porque quando te apaixonares por uma mulher como esta, se ela vai ficar contigo ou não, se ela te ama ou não, de uma mulher assim, jamais conseguirás ficar livre
..."


Martha Rivera Garrido