terça-feira, 30 de setembro de 2014


Homens, muito cuidado!


Às vezes, as mulheres são obrigadas a fingir que acreditam nas vossas mentiras, simplesmente porque não podem contar como descobriram a verdade...

true... oh yeah...

Almas iluminadas...


...Que rimam na escuridão...

[foto tirada por aí...)

segunda-feira, 29 de setembro de 2014


Sms às 3 da manhã...

........................................
Ele: Vais esquecer-me?...
Eu: Não sei... 
Ele: Nunca te esquecerei...
Eu: Devias...
Ele: Não consigo esquecer o teu sorriso, ele acompanha-me a cada momento... estás a sorrir agora?
Eu:...... estou!... Tenho sono, falamos amanhã....



Ele: Dorme bem...
........................

Não dormi

quinta-feira, 25 de setembro de 2014

A ciência é incrível... não é??





Um médico resolveu filmar um casal fazendo sexo enquanto passava por uma ressonância magnética, um exame sem radiação que consegue captar os mínimos detalhes do nosso corpo.

Reparem como o coração bate forte e como bombeia sangue por todo o corpo à velocidade da luz...
Não importa se existe paixão ou não, o nosso corpo reage sempre assim, oxigenando os órgãos e deixando-nos bem mais animados durante o dia :)




quarta-feira, 24 de setembro de 2014


{Imagem retirada do my phone}



Ilustre anónimo das chamadas:

Venho por este meio informar que de inicio achei alguma piada às sms´s, depois pensei serem irónicas, por fim pensei outra coisa qualquer que agora não interessa nada.
Cabe-me informa-lo que sou mulher e como tal tenho alguma % de curiosidade, assim sendo...
Gostaria de lhe agradecer, mas não falo com estranhos... 
(algo que me ensinaram desde pequerrucha, vá-se lá saber porquê...).
No entanto acho que poderia dizer muito mais, mas não seria aqui, quem sabe por telefone? heim??
Resta-me despedir com os mais brilhantes cumprimentos e babados beijinhos.
Mas só...
(se o ilustre anónimo tiver bom ar, pois claro), :))

terça-feira, 23 de setembro de 2014

Texto grande... assunto interessante... para eles... :)


Tratam-nos mal, mas querem que as tratemos bem. Apaixonam-se por serial-killers e depois queixam-se de que nem um postalinho. Escrevem que se desunham. Fingem acreditar nas nossas mentiras desde que tenhamos graça a pregá-las. Aceitam-nos e toleram-nos porque se acham superiores. São superiores. Não têm o gene da violência, embora seja melhor não as provocarmos. Perdoam facilmente, mas nunca esquecem. Bebem cicuta ao pequeno-almoço e destilam mel ao jantar.
Têm uma capacidade de entrega que até dói. São óptimas mães até que os filhos fazem 10 anos, depois perdem o norte. Pelam-se por jogos eróticos, mas com o sexo já depende. Têm dias. Têm noites.
Conseguem ser tão calculistas e maldosas como qualquer homem, só que com muito mais nível. Inventaram o telemóvel ao volante. São corajosas e quando se lhes mete uma coisa na cabeça levam tudo à frente. Fazem-se de parvas porque o seguro morreu de velho e estão muito escaldadas. Fazem-se de inocentes e (milagre!) por esse acto de vontade tornam-semesmo inocentes. Nunca perdem a capacidade de se deslumbrarem. Riem quando estão tristes, choram quando estão felizes. Não compreendem nada. Compreendem tudo. Sabem que o corpo é passageiro. Sabem que na viagem há que tratar bem o passageiro e que o amor é um bom fio condutor. Não são de confiança, mas até amais infiel das mulheres é mais leal que o mais fiel dos homens. São tramadas. Comem-nos as papas na cabeça,mas depois levam-nos a colher à boca. A única coisa em nós que é para elas um mistério é a jantarada de amigos – elas quando jogam é para ganhar. E é tudo. Ah, não, há ainda mais uma coisa.

Acreditam no Amor com A grande mas, para nossa sorte, contentam-se com pouco.

Rui Zink, in "Jornal Metro"

"Você vai encontrar uma mulher incrível. E vai perdê-la. As mulheres incríveis não são como as que você sempre sonhou. Elas são bem mais. Geralmente elas chegam no momento em que você, por alguma razão, não vai conseguir segurar a bronca. (...) Depois dela, seu coração estará calibrado para tudo. Ou quase."

[Alexandre Petillo]


segunda-feira, 22 de setembro de 2014



Insistes em dizer que os erros pagam-se caro, que não soubeste lidar comigo. Insinuas que esperas por mim, que gostavas que fosse diferente. E eu não acredito mas também não acho que mintas. Gostava que te convencesses que não fizeste nada de errado, nada que não se pudesse perdoar, que do teu jeito me tratavas bem. Porque, simplesmente, para saberes lidar comigo terias que ser diferente, não seres tu, e ninguém pode nem merece mudar assim. Mas penso que é mais fácil achares que em algum momento erraste e que ainda assim, quem sabe um dia, se possa retomar a história e a recordação. Não quero deixar de falar contigo mas também não quero fazê-lo todos os dias. Talvez no fundo, lá bem no fundo, eu só inveje a tua fé!

(Save the last dance for me)

sexta-feira, 19 de setembro de 2014



    Percebe-se perfeitamente quando é A mulher que lhe liga.
São dezenas de telefonemas que recebe por dia. São tantos assuntos aos quais ele tem que manter aquela postura implacável, outros tantos mais simpáticos mas não menos profissionais, mas depois tem aquele que lhe muda a voz. Não é só o jeito dele, não é só o "então como estás?" cheio de ternura, é sobretudo a voz. A voz que muda, o tom que só ela tem direito. E ponho-me a pensar que o amor também é isso, deve ser isso, não apenas ser mas também ter a excepção. Talvez aquilo já lhe seja intrínseco, o que ainda torna tudo mais bonito. Não sei, nem sei tão pouco o que falam, só sei que a voz muda e isso dá-me esperança.


quinta-feira, 18 de setembro de 2014


No que diz respeito às redes sociais o meu processo de "desapego" é simples:
Arquivar.
Gosto de falar, faço piadas e às vezes até mando uns insultos porreiros mas quando sinto que chega, quando o assunto já cansa, quando dá o clique do "basta" com esta m****,  pego nas mensagens e indico-lhes esse caminho.
E por minha iniciativa não houve até hoje um que de lá saísse.
Lamento, meu tão prezado elemento (aquele que volta e meia aqui vos apresento), mas a tua vez também chegou.
Vais ficar enjaulado nas caves facebookianas, junto dos que, confesso, não estão ao teu nível mas que acabaram por não ser muito diferentes de ti.
Acabou-se o entretenimento...
Arquivei-te!


quarta-feira, 17 de setembro de 2014





[NO PHOTO AVAILABLE]



"Talvez amadurecer seja, deixar ir embora o que já tivemos medo de perder"

{Geovane Pereira }

terça-feira, 16 de setembro de 2014



Tenho uma dúvida...

Quando os vizinhos de cima decidem desforrar-se às 9.30 da noite de um dia de semana, devemos considerar-nos desforradas também?
 
Juro que isto não fica assim...

"Esquecer uma mulher inteligente custa um número incalculável de mulheres estúpidas."



(António Lobo Antunes)


segunda-feira, 15 de setembro de 2014


       Se gostas e achas que vale a pena, luta até não poderes mais.
Mas se já não é isso que queres, sê sincera, porque "gostar" também passa por aí:
Ter a coragem de dizer que acabou.
Ter a coragem de dizer a alguém que as coisas mudaram, essa é a maior prova de que, efectivamente, o passado não foi uma mentira e que se gosta e se cuida o suficiente, para agir da maneira certa.


sexta-feira, 12 de setembro de 2014



Será que os desgostos de Amor nos tornam mais atraentes?

Será que tenho estampado na testa "partiram-me o coração em mil pedacinhos" e é por isso que toda a gente se lembrou de me começar a pedir o número de telefone?

 Coisas que não entendo...


quinta-feira, 11 de setembro de 2014



Não acho que seja fácil dizer a alguém "Eu amo-te" [em português e a olhar nos olhos].
E, às pouquíssimas pessoas a quem o disse, recebi sempre um "Eu também te amo".
Para ser sincera, acho que não tenho a capacidade de amar alguém que não me ame de igual maneira.
Desisto entretanto.
O amor só faz sentido se for assim.

quarta-feira, 10 de setembro de 2014


Ontem num convívio exclusivo de uma confraria de meninas, de várias idades e feitios, discutia-se este assunto:
O que se quer num Homem?

Respostas:
Ele era o carácter impoluto, a dignidade, que nos saiba defender, que nos proteja, que nos honre, as “habilidades”, o saber fazer-nos rir, o carinho e ternura, o cartão de crédito, etc..

Pessoalmente acho que esta imagem resume tudo!



terça-feira, 9 de setembro de 2014

Li por aí, que segundo um estudo (acho que norte americano, porque eles é que têm tempo para estudos e batalhas navais) existem cada vez mais lésbicas.
Ora como devem imaginar, isto preocupa-me um pouco, porque não sabendo a origem do problema o mesmo pode tornar-se patológico.
Meditei, pesquisei, googlei...
(eu sei... googlei não existe...:))
E cheguei à conclusão que a culpa é dos nutricionistas, sim essa gente de má indole que incentiva as moças a comerem vegetais.
Meninas... guess what...
Existem mais vegetais para além dos grelos, e até porque os tubérculos têm muitas
vitaminas e fazem um bem à pele que nem imaginam.
 
Malta... não se assustem...
(Amanhã este blog volta à normalidade)



segunda-feira, 8 de setembro de 2014


Tenho uns amigos que voltaram à pouco tempo das férias nas Maldivas todos armados em pingarelhos, fazendo questão de nos esfregar na nossa humilde cara toda a pindériquice subjacente.
Adiante ...
Havia empolgação geral para ver as fotos, toda a gente morrendo de inveja das águas cristalinas e areias brancas...
Estava a sala num silêncio profundo, enquanto as fotos passavam uma a uma num écran gigante, até que apareceu a foto de um caranguejo enorme.
Quando se ouve uma voz meio ensonada no fundo da sala:
-Eu já vi um desses...
Os nossos amigos olharam um para o outro e perguntaram:
-A sério Vic, onde??
Responde ela no alto da sua sapiência: NO PINGO DOCE, ORA!!!
Se fosse a gente fosse como esta minha menina não havia inveja no mundo.
Eu bem digo que já posso morrer descansada, a herança genética está garantida.
Se eu fosse gajo fazia um teste de ADN, é que o diabo da cachopa é mesmo parecida comigo. 


sexta-feira, 5 de setembro de 2014

Porque há coisas que eu gostaria de ter escrito...


"Amanhã, amanhã faço aquilo que o hoje não deixou. Arranco-te de mim, rasgo-te em pedaços, piso-te, estrago-te e atiro-te para o lixo, amarrado com fios e arames e colado, peliculado, tudo o que for preciso para te conseguir esquecer.

Amanhã. Amanhã apago o teu nome dos meus diários, ou rasgo as páginas, ou posso até queimá-los! Rasgo e queimo as páginas uma a uma e fico ali, a vê-las arder e, vendo morrer a chama vermelha, potente e destemida até apenas sobrar uma casca negra e encarquilhada que o vento vem estragar, talvez perceba o quanto fomos nada e que nada mais há a fazer ou a esperar.

Amanhã. É amanhã que te esqueço, que te apago, que te tiro de mim.  Amanhã bem cedo, ainda antes do sol nascer, para começar o dia a sorrir sem o teu peso no meu coração. Amanhã. Amanhã que hoje ainda tenho medo. Não de te esquecer. Mas de não ser capaz." 

(Lazy Cat)

terça-feira, 2 de setembro de 2014




Mesmo que tentem não me vão convencer que o pessoal que projecta os parques de estacionamento não está mancomunado com a classe dos mecânicos. Não vejo outra razão que explique o facto da maioria apresentar lugares que mais parecem destinados aos triciclos da ganapada!
E aqueles pilares brutais magníficos colocados estrategicamente para uma gaja destruir metade do seu bólide? Um assombro... Está uma pessoa a fazer a manobra a achar que o carro vai entrar, vai entrar, vai entrar, e toma... era uma vez um espelho!
Estou mesmo a vê-los, qual corja a congeminar:
- Mete aqui o pilar, aí com 1 mt de diâmetro, que pelo menos tens 4 carros aviados por dia.

- Essa parede tem que ser mais espessa. E carrega bem nesse ângulo de curvatura. A média de colisão prevista é de 9 carros.

- Coloca-me essa rampa mais inclinada. O pessoal tem que se borrar todo para fazer ponto de embraiagem ao inserir o ticket para sair.

Por isso, sempre que saio de um parque de estacionamento com o meu carrinho ileso (que não foi o caso de hoje) estou sempre a ver onde pára o mecânico mais próximo.
Esta história é concertação entre a ordem dos arquitectos e a dos mecânicos.
É que ninguém me tira isto da cabeça.

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Voltei minha "gentxi"
Vá... confessem em baixo a vossa saudade :)
 

Mas aviso já, se este post não tiver pelo menos quinhentos comentários 
(no mínimo)  que aqui a "coisa" não se faz por menos, fecho a taska.

A sério pessoal, já tinha saudades vossas...