sexta-feira, 29 de abril de 2016

A solidão é tramada




Principalmente quando a sentimos dentro do peito. 
Podemos estar rodeados de barulho e pessoas a toda a hora e sentimo-nos invadidos por um sentimento de vazio.
É como se as vozes, os passos e os olhares fossem sombras esbatidas a passar a 100km/h que nem dessem pela nossa presença.
Sentimo-nos invisíveis e dispensáveis para o Mundo. 
Achamos que merecemos mais do que isto. 
Achamos que merecemos ser vistos e tratados como iguais. 
Mas depois pensamos: E se não merecemos? 
E se realmente valemos tão pouco que é preferível olhar no sentido oposto ao nosso?
Hoje senti-me só. 
E mais uma vez achei horrendo, uma seca. 
Contudo, se pensarmos bem, mais vale só do que mal acompanhada...

quinta-feira, 28 de abril de 2016

Dizem por aí que hoje é dia do sorriso...


Tomem lá este... já tem uns aninhos, mas ainda tá dentro do prazo.
É só para vocês... sortudos!

quarta-feira, 27 de abril de 2016

terça-feira, 26 de abril de 2016

Esta coisa da net

Tem muito que se lhe diga...


Encontrei esta foto e adapta-se que nem uma luva.

Ai se as pessoas se vissem... acabavam tantos amores assolapados que circulam na blogosfera.

lolllll

sexta-feira, 22 de abril de 2016

It's so hard to say goodbye


Ontem o mundo vestiu-se de roxo e chorou.
Calou-se para sempre uma das melhores vozes que eu já ouvi.
O eterno menino 
O extravagante bailarino
Alguém dizia ontem que parte do Funk morreu com ele...
verdade
Ele próprio o anunciava no inicio dos concertos

"My name is Prince, and I am funky / My name is Prince, the one and only"

Era único... e hoje brilha lá no céu... in purple 

quarta-feira, 20 de abril de 2016

Roteiros



Cada vez que volto a "casa", é como se abrisse a janela da minha infância, e tivesse do dom de voltar no tempo.
Aqui fui feliz, nesta rua... estas árvores contam histórias de mim que mais ninguém conhece.
Mas a vida é feita do presente, do passado já ninguém quer saber, por isso é sempre bom voltar a Paris, mas é sempre melhor regressar a Portugal...

segunda-feira, 18 de abril de 2016

Wish you were here




                  Já passaram 10 anos e eu continuo a pensar em ti. 
Imagino-te na rua, de guitarra às costas. 
Sem pedir licença paravas e tocavas, muitas vezes Pink Floyd... 
"We're just two lost souls swimming in a fish bowl, year after year...".
Eras o meu Melhor Amigo e eu Amava-te de Paixão. 
Foste embora sem o meu aval e nem te despediste de mim. 
Andei zangada durante uns tempos mas as lágrimas acabaram por lavar a alma e compreendi que eras um espírito superior que nada mais tinha a aprender. Contudo tinhas tanto para nos ensinar.... 
Manuel, tenho saudades tuas...

sexta-feira, 15 de abril de 2016

Coisas minhas que convém partilhar para memória futura

[Só para não acharem que é mentira, o Bombeira existe mesmo, tá?]



Recebi um convite para jantar este fim de semana, a duvida impera... o que levar?
Uma sobremesa? Uns Bombons? Hum...??? Depois de alguns minutos decidi que não há nada mais agradável de receber do que um bom Vinho Tinto (tirando o anel de diamantes e a viagem às Maldivas).

Andava eu ontem à noite na escolha do vinho, quase "burra a olhar para um castelo", dado que havia poucos dos que eu conhecia, quando aparece um Sr e põe-se a olhar para as prateleiras tal como eu.

Como uma verdadeira gaja peguei em três garrafas diferentes por causa do rótulo, do design e, vá lá, por serem alentejanos. Meia hora depois resolvi-me por um 'Bombeira do Guadiana 2006'.
O Sr vem atrás de mim e diz-me:
 
Sr: A menina desculpe mas, visto que me parece entendida no assunto, o que acha deste vinho (e aponta para o que tem na mão)?
Lírio: (sem fazer a mínima ideia de que vinho era aquele) Pois realmente não é dos meus preferidos dado que é duma casta pouco nobre, o que o torna demasiado agressivo. O meu conselho é que experimente um "Bombeira", que é um vinho encorpado e acompanha na perfeição qualquer prato bem confeccionado. Aconselho que leve o de 2006, porque esse foi o seu melhor ano.
Sr: A menina percebe mesmo de vinhos. É enóloga?
Lírio: Sim sim... e faço provas de vinhos todas as semanas.
 
Fiquei sem perceber quem estava a gozar mais o prato.. ele ou eu? Ri-me tanto que nem imaginam... Enóloga... pahhhhhh!!!

quinta-feira, 14 de abril de 2016

Day off...


Apetece-me partir sem destino rumo ao horizonte. 
Apetece-me o lago com águas quentes que um dia descobri. 
Uma praia deserta onde me afundei e a qual me identifiquei por me parecer a minha praia. 
A de sempre...
Apetece-me o centro da terra. Longe de gente e de sonhos. Longe até do céu que vezes sem conta muda de cor e escurece trazendo a noite que me recorda que os dias são todos os iguais mesmo quando fazemos deles algo diferente. Apetece-me largar tudo e partir sem destino levando a alma e as lucernas da minha existência…e viver onde as espirais se transformam em horizontes…

terça-feira, 12 de abril de 2016

Sabes que estás a precisar de férias quando...



Estás a falar ao telefone com uma colega e ao mesmo tempo abres gavetas, armários, procuras nos bolsos, vasculhas secretárias alheias.
No meio desta azafama toda (sim, porque dava para notar) a colega pergunta:

-Afinal o que procuras tu mulher?
-Opahh não sei do meu telemóvel...

Silêncio do outro lado...

E eu: QUE FOI?? SABES ONDE ESTÁ...Já meio desesperada...

-Isa... tás a falar comigo ao telefone...

Upss... 

Licencinha sim? que vou ali bater com a cabeça na parede e já volto.

segunda-feira, 11 de abril de 2016

Coisas que eu podia ter escrito...






Neste meu sentir descompassado. Vivem silêncios cheios de voz. Dos meus braços resta a força de momentos que apertei e me dei, vive ainda em mim o último abraço que guardei e não dei.
Fiz bem? Não sei. É um abraço muito meu com a força com que amei. O que me resta hoje? Nada... Como me sinto? Vazia, fria e forte. Se eu mudei? Mudei!! Desiludida e sozinha sofri, mas com a dor me transformei. Hoje não me perguntem quem eu sou..
Porque eu não sei!
   
                                                            

                                                                            Carla Tavares
 

quarta-feira, 6 de abril de 2016

Há dias escutei um amigo meu dizer que as raparigas são como o café, não percebi...






Mas refutei que os rapazes são para nós como os sapatos.

Ora deixem ver se me posso explicar.

Nós raparigas adoramos aqueles saltos altos, lindos de arrasar, que fazem todos os olhares de uma festa morrerem de inveja, aqueles pelos quais fazemos loucuras para obter, mas que indubitavelmente nos causam dores excruciantes nos pés passadas apenas algumas horas, aguentamos firmes, para demonstrar que tudo aguentamos com tais beldades.

Mas agora digam-me lá que no dia a dia não apreciamos mais uns bons ténis confortáveis, ou pelo menos uns sapatos rasos, nos quais fazemos quilómetros sem nos queixarmos da sua instabilidade.

Pois é! Nas horas difíceis, não podemos pavonear-nos de saltos altos, mas podemos sempre contar com o conforto de uns bons ténis...

Não sei se entenderam... :)