segunda-feira, 30 de setembro de 2013


Sou mais dada a silêncios…
O chacoalhar constante de certas frases nos meus ouvidos deixa-me perto da demência.
Gosto do que não se precisa dizer, do óbvio, de frases curtas, de pessoas constantes.
Não gosto que me tentem manipular com frases feitas, clichês ultrapassados, ou ameaças vãs.
Gosto de pessoas que falam com sorrisos, olhares intensos, e gestos mudos.
Não gosto da falsidade que se esconde por trás de grandes discursos previamente estudados.
Gosto do improviso, das palavras oportunas, do aconchego de uma tertúlia.
Não gosto de gritos e gestos agressivos.
Gosto de letras soletradas em tardes calmas.
Não gosto que invadam o meu espaço com conversas arrogantes e citações descabidas.
Gosto da simplicidade das gentes da aldeia, da sabedoria dos mais velhos, gosto de tudo aquilo que não se aprende nos livros.
Não gosto de pessoas mornas, aquelas que nem sequer têm capacidade de me fazer odiá-las ou amá-las.
Gosto de gente com atitude, que arrisca, mesmo fazendo asneiras demonstram que têm coragem.
Gosto de serões à lareira, chocolate quente, e manta polar.
Não gosto de bares apinhados, de flirts supérfluos, e madrugadas na rua.
Não gosto de pessoas que falam demais.
Irritam-me!...


sexta-feira, 27 de setembro de 2013


É a ela que eu recorro quando preciso, quando tenho dúvidas, quando os medos me assolam.
É a pessoa que eu mais gosto de abraçar, dá-me forças que eu nem sei onde ela vai buscar.
É uma menina-mulher com uma alegria contagiante.
É quem nunca me nega um sorriso, é a pessoa que melhor me conhece.
Sempre que preciso, faço do colo dela o meu porto de abrigo.
É uma mulher coragem, uma lutadora, uma leoa a defender a família.
É a pessoa que confia em mim a 100 por cento.
É a ela que dou o melhor de mim, e também é ela que nunca me pede mais do que eu consigo dar.
Não há ninguém no mundo que mereça ser mais feliz que ela, é a pessoa que quero cuidar para sempre.
É a pessoa que tem vergonha de chorar à minha frente porque nunca quer dar a parte fraca.
Ela é uma pessoa mais importante da minha vida, a minha companheira, a minha melhor amiga, é quem eu mais amo…
Ela… a minha mãe.


quinta-feira, 26 de setembro de 2013



Hoje, num artigo que li em que falavam sobre as mudanças que não devemos fazer, quer seja em prol dos outros ou mesmo de um relacionamento, vi uma frase que não me sai da cabeça.
 “ Existem pessoas que nos tiram a alma… São aquelas que exigem que sejamos outra pessoa, as que nos fazem infelizes, que nos obrigam a fingir, mentir, esconder, aquelas pessoas que nos fazem sentir culpados por sermos quem somos.”
Tentar fazer isso com alguém devia ser considerado crime, porque mais que matar um corpo é matar  a alma, a essência… que é o que temos de mais valioso.
Mata a nossa individualidade, os nossos potenciais, a nossa capacidade de crescer, mata o que de mais sagrado temos, a assinatura dos nossos pais.
Quando alguém nos pede que sejamos diferentes do que somos afim de nos amarem mais, é porque não somos amados, de todo!
O que quer que seja que essa pessoa sente por nós não é amor, se fosse existiria encantamento pela forma como somos e não rejeição.
Quando se ama de verdade, ama-se a unicidade da outra pessoa, os pequenos detalhes que a torna especial. Confesso que não entendo um amor que rejeita a autenticidade de alguém, menos ainda quando a tenta mudar tornando-a num modelo estereotipado.
Não existe nada mais degradante que ver uma pessoa anular-se para se moldar a pseudos-amores.  É tão triste ver o brilho dos olhos de alguém a apagar-se para satisfazer a necessidade de pessoas que não sabem amar. Pior ainda é achar-se que se é amado.
Apagar-se é a melhor forma de não ser verdadeiramente amado, mas iludido.
O amor verdadeiro encanta-se com a essência e não com máscaras…


quarta-feira, 25 de setembro de 2013


Perdemos a capacidade de ser autênticos numa sociedade que nos quer estereotipados.
Há sempre alguém em quem nos espelhamos e até em modelos e padrões de comportamento social.
Quer seja na moda, na arte, na religião ou na profissão, é cada vez mais difícil sermos nós próprios.
Afinal quem somos nós neste emaranhado de padrões e modelos.
E porque sentimos tanta necessidade de nos padronizar.
Porque é que hoje somos um padrão e amanhã outro.
Seremos nós a mudar constantemente, ou é a nossa inconsciência que busca a nossa essência.
Porque teimamos em seguir padrões, porque será que queremos estar sempre inseridos em algum modelo social.
Será razoável vestir roupas da moda, ouvir musica que está no top, ou até mesmo escolher uma profissão de topo só para nos sentirmos bem na sociedade.
Acredito que nesta ansia de agradar, perdemo-nos! Afinal é o mundo que tem que se adaptar a nós e não ao contrário.
E se nos despirmos de todo o imediatismo efêmero da matéria, o que sobra de nós?


terça-feira, 24 de setembro de 2013


Estava eu aqui a tentar escolher palavras bonitas, algumas até luxuosas…
Mas para quê? Se afinal o que quero dizer é tão simples.
Não posso querer perfeição quando eu estou carregada de defeitos.
Não vou escolher palavras magníficas, afinal eu não sou nada disso.
E se há coisa que não quero é enganar quem me lê, afinal se perdem tempo a passar por cá o mínimo que posso fazer é mostrar a minha honestidade… simplicidade…
Afinal eu sou igual a ti, sim tu… que estás a ler-me neste momento, choro, penso, sofro, recebo, dou, sou amada, sou odiada, sou amiga… e não sei ser de outra forma.
Tenho muitas fraquezas afinal sou mortal, mas existem alguns aspectos que gosto em mim.
Neste momento estás a chamar-me egocêntrica, não o sou… e daí… talvez seja…
Gosto de mim, gosto que os outros gostem de mim, mas confesso que é difícil eu gostar. Tenho de sentir genuinidade e sinceridade do outro lado, se assim for, entrego-me por inteira e não costumo pedir muito em troca, agora estão a pensar:
“ai que modesta…”
Não é isso, acreditem, apenas aprendi a contentar-me com aquilo que me dão. Se é pouco não sei, mas é suficiente para mim, faz-me sorrir, mas acima de tudo dá-me força para viver.
Vocês são especiais…


segunda-feira, 23 de setembro de 2013


Todos os dias assistimos a demonstrações de amor…
Umas mais convincentes que outras…
Quase todos os dias dizemos a alguém que a amamos, esperando sempre algo em troca, nem que seja um sorriso.
E depois, deparamo-nos com uma imagem como esta, onde o amor mais intenso é demonstrado na sua forma mais pura.
Aqui não se espera reciprocidade, dá-se simplesmente a vida por um irmão mais novo..
É assim no Cambodja… 
"o Amor é mais forte que a pobreza."
 {palavras do fotógrafo}


sexta-feira, 20 de setembro de 2013



Gosto de ti como amiga!
Quem é que nunca ouviu esta frase?
Isto quer dizer que és a pessoa que melhor o entende, a mais presente, a mais dedicada e simpática, mas… nunca irá sair contigo.
Vai com certeza sair com uma gaja nojenta que apenas quer ir para a cama com ele. E aí sim, quando a outra lhe fizer uma das dela, ele irá chamar-te para desabafar e pedir conselhos.
É como estares numa entrevista de trabalho e a páginas tantas dizem-te sem rodeios:
-“Você é a pessoa ideal para o posto, tem o melhor currículo, é a que está melhor preparada… mas não vamos contrata-la. Vamos contratar uma incompetente. Só lhe pedíamos uma coisa, quando esta gaja fizer asneira, podemos chama-la para nos tirar da embrulhada que ela nos meteu?”
Mais ou menos isto…
Para alguns homens uma amiga rege-se pelas mesmas normas de um tampax: podem ir à piscina com ele, montar a cavalo, dançar… depois descarta-se… deita-se para o lixo.
Ora bem, existem homens que nós não queremos para amigos.
Se estamos numa praia à noite, ele já com os copos, a lua está cheia, os planetas estão alinhados e um meteorito ameaça a terra… podíamos muito bem ir para a cama com ele!!


quinta-feira, 19 de setembro de 2013



Quantos de vocês já pensaram em desistir?
Pura e simplesmente deixar de lado todos os sonhos e bater em retirada carregando um coração pesado de tanta injustiça.
Quantas vezes já sentiram o peso da responsabilidade e olhando para o lado não têm com quem dividir a carga.
E as vezes que a solidão chega numa sala cheia de gente e vos conquista.
Quantas vezes ergueram a voz numa súplica e ninguém sequer notou.
Quantos de vós já lutaram por uma causa que à partida já sabem que é perdida.
Quantas vezes voltaram para casa com uma sensação de derrota.
E aquela lágrima que teima em cair precisamente no momento em que queríamos ser fortes;
Depois vem aquele momento de fé, em que suplicamos por força, luz, energia…
E a resposta pode chegar de formas tão simples…
Um sorriso
Um olhar cúmplice
Uma carta
Uma flor
Um gesto de carinho
E voltamos a acreditar que o caminho mais complicado pode ser também o mais bonito e insistimos em percorrê-lo porque afinal todos temos uma missão nesta vida:
SER FELIZ!


quarta-feira, 18 de setembro de 2013


Toda a gente sabe que eu amo o Sol e toda a energia inerente.
O calor, a praia, as esplanadas ao fim do dia, as bebidas com gelo pela noite dentro, as roupas leves, pés descalços, as pessoas sorridentes, as férias, os amigos que nos visitam, as gargalhadas e as conversas até amanhecer…
Toda a gente sabe que entro em depressão assim que começam a cair as primeiras folhas douradas.
Toda a gente sabe que odeio o frio, que a chuva me incomoda e que o vento me faz perder o norte.
Toda a gente sabe que no Inverno perco toda a minha simpatia, fico rezingona e com mau feitio (mais do que o normal)
Mas…
Ninguém sabe, que ao contrário de todas as outras mulheres eu não sou fã de botas.
Ninguém sabe que passo o Inverno com frio e não uso casacos.
Ninguém sabe que tenho medo dos trovões e fascínio por relâmpagos.
Ninguém sabe que já perdi milhões de guarda- chuvas.
Ninguém sabe que durmo de pijama polar e botas de lã e que de manhã acordo sem nada (ainda vou descobrir quem me despe)
É…
Pouca gente sabe de mim…


segunda-feira, 16 de setembro de 2013



Quem me conhece sabe que não sou de intrigas, gosto de estar no meu canto e não me meto com ninguém.
Quem me conhece sabe que me dou por inteira a quem merecer a minha amizade.
Quem me conhece sabe que sou honesta, verdadeira, sincera.
Quem me conhece sabe que divido o que tenho com quem precisa, sabe que não posso ver ninguém com fome, sabe que já chorei por não poder ajudar mais.
Quem me conhece sabe que nunca trairia um amigo(a), nem por toda a fortuna do mundo.
Quem me conhece sabe que não gosto de promessas que não podem cumprir, por isso nunca prometo nada, mas normalmente cumpro.
Quem me conhece sabe que sou lamechas, que qualquer filme rasca me faz chorar.
Quem me conhece sabe que adoro brincar, que sou meio palhaça e que isso me faz feliz.
Quem me conhece sabe que não perdoo uma traição.
Quem me conhece sabe que gosto de conversar, que falo até demais, mas que também posso ficar horas em silêncio, sem que isso queira dizer que não me importo.
Quem me conhece sabe que eu me importo.
Quem me conhece sabe que já não tenho pai e que choro todos os dias por ele.
Quem me conhece sabe que sou frontal, que digo o que penso mesmo que isso me traga dissabores.
Quem me conhece descobre-me pelos olhos.
Quem me conhece sabe que detesto carne e adoro peixe.
Quem me conhece sabe que gosto do vermelho, que o verde me irrita e o azul dá-me náuseas.
Quem me conhece sabe disto tudo.
Tu…
Tu não me conheces!...




As melhores histórias são aquelas que NUNCA contaremos aos nossos filhos...

sexta-feira, 13 de setembro de 2013


BOM FIM DE SEMANA PESSOAL
DIVIRTAM-SE!!!



Já repararam que:
O rouge agora é blush
O pó de arroz agora é pó compacto
O brilho agora é gloss
O rímel é máscara
A lycra agora é Strecht
A peruca é megahair, extensões…
Menstruação agora é TPM
Nervos agora é stress
A purpurina é gliter
A tanga é fio dental, e o fio dental é antisséptico bucal
Já não se usa o termo à lá carte, porque agora é self service.
A tristeza agora chama-se depressão
O centro comercial é shopping
A arena é ringue
O LP agora é CD
A cassete de vídeo agora é DVD
O CD é MP4
Agora temos 1 filho em vez de 5
O álbum das fotos agora mostra-se online
O namoro é virtual
A sedução agora vem em forma de sms
O breakdance é Streetdance
Em Outubro temos o Halloween
O piano agora chama-se teclado
Policia e ladrão agora é Counter Strike
A fauna e a flora estão a desaparecer
Fernando Pessoa agora é Paulo Coelho
A sida agora é gripe
A bala antes encontrada, agora é perdida
A Cocaína é calmante
O professor agora é facilitador
A guerra superou a paz
E a sociedade ficou incapaz de tudo, inclusive de notar estas diferenças.


 Luís Fernando Veríssimo.     

quinta-feira, 12 de setembro de 2013



Gosto do que ninguém nota, do que é diferente.
Gosto da pessoa que está ao canto da festa, que parece não se importar, que desvia o olhar.
Gosto da pessoa que vive no seu mundo e não faz questão do mundo dos outros.
Sempre gostei de quem se basta por si, de quem não é carente.
Gosto de quem não faz da vida uma busca desenfreada pela alma gémea .
No mundo onde tudo é comum, o meu objectivo é procurar o diferente.
Gosto dos detalhes, do que passou despercebido ou invisível ao olhar.
Procuro o raro, a excepção, o que está entrando em extinção, ás vezes acho que procuro uma agulha no palheiro.
Pessoas que fingem, que escondem sentimentos, que não conseguem amar, que não são quem queriam ser, são fácies de decifrar por pessoas observadoras como eu.
As pessoas difíceis de ler são as diferentes, aqueles que não se enquadram em padrões ditos normais.
São aquelas pessoas que nos deixam curiosas, será que já amou? O que esconde? O que pensa? Por onde andou? Já sofreu?
Equiparo estas pessoas a um abismo, porque nunca sabemos o que nos espera, mas mesmo assim temos vontade de nos atirar de cabeça e rezar para que o paraquedas funcione.
No meio de tanta normalidade eu procuro algo que me instigue, procuro esquecer o clichê do homem popular que todas querem, ou do “bonzão” que chama a atenção quando chega a qualquer lugar. Sou mais exigente que isso, procuro sempre aquilo que mais brilha, que irradia mais luz, que queima a pele e a alma. Só assim terei a certeza que irei encontrar o amor.
Pois o amor não é normal, calmo e tranquilo.
O amor é profundo, misterioso e causa um frio no estômago, assim como o abismo.



quarta-feira, 11 de setembro de 2013


We always seem to forget that everything is so temporary.
I mean, yeah okay, it crosses our minds once in a while and we might do something daring and out of our comfort zone but when that moment passes, it gets stored away in the back of our minds and we continue living our lives as if there are plenty of tomorrows waiting for us.
We postpone feelings and words to another day, another week, another month, another year.
Everything is temporary.
Forever is an empty promise.

segunda-feira, 9 de setembro de 2013



O problema de nos chatearmos com alguém com quem convivemos algum tempo para mim nem é o facto de deixar de falar com a pessoa.
Claro que há sempre aquela saudade e às vezes dou por mim com vontade de lhe contar qualquer coisa, que não dá para contar aos outros amigos porque tinha era a ver connosco ("Sabias que a protagonista da novela tem novo namorado?"), mas depois penso “oh pá, não posso, estamos chateados”.
Mas como eu estava a dizer, isso não é grave.
Até porque se nos separamos de pessoas que não foram muito correctas connosco ou que não nos trataram assim tão bem, o afastamento até é algo bom.
O que me chateia mesmo é que tendo a pessoa sido tão estúpida faz com que me arrependa de tudo o que passei com ela, de tudo o que fiz, de todo o afecto e amizade que dei.
É que se tivesse acabado com uma conversa fixe ainda podia deixar boas lembranças, uma pessoa até se podia rir ao lembrar de certas coisas.
Mas acabou de maneira tão parva, que me chateou tanto que nem consigo ver coisas boas nisto tudo.
Foi um desperdício de tempo, de energia, de amizade.
E é isso que me incomoda mesmo.
Grrrrrr detesto arrepender-me! 


sexta-feira, 6 de setembro de 2013


Hoje lembrei-me de uma frase que um amigo me disse um dia...
" O amanhã não existe!"
Confesso que no momento não entendi bem o que queria dizer...
Mas fiquei a pensar no assunto e esta frase não me sai da cabeça, pensando bem, ele tem razão.
Nós não somos eternos, apenas temos um tempo limitado para estar cá na terra!
Ninguém tem o poder de prolongar a estadia nem por um segundo a mais.
Mas preferimos não pensar muito nisso e vivemos como se fossemos eternos, como se tivéssemos tempo de fazer isto ou aquilo, ou até mesmo ajudar a restabelecer a paz...
E pensamos muito erradamente....
Amanhã logo falo...
Amanhã telefono...
Amanhã peço desculpa...
Amanhã...
Como se pudessemos guardar o "amanhã" nas mãos e utilizá-lo quando nos apetecesse...
Mas o amanhã de ontem... é hoje!
E o amanhã de hoje??
Estaremos cá??
Todos temos nossos problemas, nossas desilusões, nossas tristezas, nossas angustias...
 Quando estamos magoados temos tendência em construir muralhas para nos proteger, e nem nos apercebemos que nos aprisionamos sem darmos conta...
Ficamos presos a um sentimento de revolta e nem damos conta quando alguém tenta estender a mão para nos ajudar...
Ficamos cegos e escondemos a tristeza atrás das muralhas... 
Magoamo-nos inconscientemente.
Nesta egoísta agonia deixamos para amanhã a resolução do problema, o pedido de desculpas...
Mas o amanhã não existe!
Só o iremos conhecer se vermos o Sol nascer...
Muita gente não vai chegar lá...
Porque a vida é imprevisível, diria mesmo cruel...
Mas se o hoje nos é oferecido, não construas muros, deixa entrar quem te quer ajudar ou quem precisa de ajuda... E grita bem alto:
HOJE QUERO E VOU SER FELIZ!!!
Os muros impedem-nos de dar e receber carinho, liberta-te...
Abraça, beija, ama, escuta, ajuda, perdoa...
Porque se o amanhã não chegar para essa pessoa, pelo menos não terás de viver com a tristeza de não teres demonstrado o quanto ela significava para ti, só porque pensaste em fazê-lo amanhã...
Nem ficarás com a sensação de teres perdido os melhores anos da tua vida!
Por isso vive o hoje!
Porque amanhã...
"AMANHÃ NÃO EXISTE"!...



quinta-feira, 5 de setembro de 2013


Hoje sei que não é possível recomeçar do zero.
Não voltaremos a nascer, e a linha da nossa vida não pode ser apagada como um qualquer risco no papel.
As pessoas que ao longo da vida passam por nós deixam sempre impressos no nosso carácter um pedaço delas, bem ou mal acabam por moldar a nossa forma de ser e de viver.
Nunca é possível recomeçar do zero
Não podemos apagar memórias, elas estão sempre ali, escondidas… e reaparecerão quando voltarmos ao local exacto onde aconteceram, quando ouvirmos uma música, vermos um filme, ou tocarmos num objecto que já foi especial.
Nunca é possível recomeçar do zero
Porque o passado é que nos permitiu ser o que somos hoje, as desilusões ensinaram-nos a ser mais fortes, os erros ajudaram-nos a não repetir o errado e as alegrias tornaram o caminho mais fácil de ser percorrido.
Nunca é possível recomeçar do zero…
…E ainda bem…


terça-feira, 3 de setembro de 2013



O que tenho neste instante?
"Um sabor inédito de beijo, um novo número de telefone para adicionar na minha agenda, uma cor de olhos que não sei definir com precisão, um corpo que se encaixa no meu e uma conversa que me mantém fascinada.”
- Martha Medeiros