quarta-feira, 23 de abril de 2014



Escreve-me...
Escreve-me a todas as horas. Não desistas de mim e lê-me. Lê-me porque só tu o sabes fazer como nenhuma sombra, nem mesmo a minha (que anda perdida há uns bons anos), o sabe fazer.

Descobre os meus sonhos e tenta adivinhá-los como se os tivesses sonhado também e não deixes de gostar do meu mistério porque ele vai ser sempre uma boa parte de mim. Procura-o em todas as minhas linhas, em todas as minhas frases. Eu sempre fui de meias frases e sempre precisei de alguém que as completasse mesmo sem dizer nada.
Pareço-te muito livre, pensas tu. Eu sei. Pareço-te muito livro fechado em dias de chuva mas não; sou um livro aberto. Cheio de luas, cheio de fases e faces e lados errados. Não deixes de os tentar descobrir.
Lê-me.
Sou um livro de páginas que cheiram a mofo mas que têm muito para te dizer.

4 comentários:

  1. Ui ui ui
    Vitória, Vitória acabou-se a história !

    ResponderEliminar
  2. Bom... nunca deixes de dizer, mesmo sendo um livro fechado ..Belo texto!

    Continuação de uma boa semama Lirio! :)

    Beijinho

    ResponderEliminar
  3. Só não gostei das páginas que cheiram a mofo!!!! Maaauuuuu....um dia destes temos mesmo de almoçar juntas, para conversarmos.

    Escreves tão bem caraças!!!!:)

    Jinhooooooossssss

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.