segunda-feira, 11 de julho de 2016

Leiam que vale a pena o esforço.

Estão a ver aquele canto esquecido da Europa, lá mesmo ao fundo, longe das linhas de TGV, dos fiordes e dos canais, das cordilheiras e das planícies centrais? Aquele terreno entalado entre os espanhóis e um oceano gigante, lá para trás do sol posto, onde Judas perdeu as botas?

Diz que é terra de gente desorganizada, xico-esperta, cábula, trapaceira. Um povo de preguiçosos, fracos, deprimidos. Mandriões, subservientes, abatidos. Indolentes, sonolentos, cabisbaixos. Diz que nos falta muito, tanta coisa. Falta-nos o método, o foco e a capacidade analítica. Falta-nos perspectiva, visão estratégica, capacidade de desenhar planos de longo prazo.

Diz que somos uns tristes, nojentos, porcos. Abaixo de cão. “Dégueulasses”, portanto.

Sabem lá vocês, oh mundo!

Aqui há um povo nobre. Gente que não se resigna, que faz das fraquezas forças, que cai e se levanta, que renasce. Gente que constrói um império a partir de um nico de terra, que se atira ao Oceano sem saber o que esperar para lá das nuvens e da curva do horizonte. Gente que não se apequena perante o tamanho do adversário, que se atira aos confrontos com a atitude de quem tem pouco a perder.

Gente que não desiste, que não se cala, que não baixa os braços.

Aqui vive o povo mais criativo do mundo. Um povo que vê borboletas nas traças, que desafia o razoável, tira coelhos da cartola, transforma as entranhas em poesia, o lixo em luxo e o quase nada em tanto. Que faz da tragédia glória.

Aqui vive um povo de coração a sair do peito, que acolhe, que adopta, que perdoa. Que tanto grita como beija, tanto luta como chora.

Aqui vive um povo que finta o destino, que desafia a probabilidade, que contorna condenações e desalinha a ordem natural.

Somos lutadores e orgulhosos, como Ronaldo. Somos certeiros e inspirados, como Rui Patrício. Somos príncipes rebeldes, como Quaresma. Somos o herói improvável, como Éder. Somos cegamente optimistas, como Fernando Santos.

Somos grandes gigantes e hoje a taça é nossa. Venham os franceses ou alemães, as crises e as sanções, os desatinos e as confusões. Os exits e as depressões.

Somos nós o povo que arranca o prefixo de impossível. E se ele teimar em não cair, o que certamente será muito injusto, uma idiotice pegada ou um azar dos diabos, havemos de sobreviver.

                                                                                      
                                                                                    Mafalda Anjos
                                                                                                                     Directora adjunta do Expresso

1 comentário:

  1. Lindo texto, esta senhora é a maior! Tenho orgulho em ser Portuguesa ;)

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.