sexta-feira, 2 de junho de 2017

Esta coisa de morar sozinha...





De início, descobres a parte boa de não ter que dividir o mesmo tecto com alguém. Andar nua pela casa, deixar a cama por fazer e acordares à hora que quiseres. Descobres como é bom não ter ninguém te advertindo só porque deixaste a toalha molhada em cima da cama, ou porque só comes fast-food ou chegaste tarde a casa.
Depois acontece aquele momento em te perdes dentro do teu próprio apartamento. Quebras a cabeça com as contas da luz, da água e do condomínio. Aquele momento em que até tentas ter uma alimentação saudável, mas descobres que comida fresca estraga muito rápido e pensas:  
Quem mandou comprar frutas e legumes para uma semana? 
Então, voltas ao supermercado decidida a levar só metade das coisas que tinhas comprado antes. E aí percebes que lá não têm meia alface nem meio pacote de pão de forma.
O problema é quando chegas em casa e não tens ninguém para te ouvir contar como foi o teu dia, para dividir a refeição, a cama e os sonhos. 
O silêncio pesa e sentes-te vazia.
Esse vazio pode ser a saudade do arroz mãe… Pode ser por causa do bife que ficou duro e o teu fogão parece um campo de batalha, ou as plantas que morreram porque te esqueceste de regá-las…
Porém, um dia descobres que é possível morar sozinha sem ser solitária. Começas a resolver os teus problemas e a tua intuição aflora.
Descobres que a solidão é um exílio fundamental para o teu auto conhecimento. Mas é preciso tomares cuidado para que não te percas em martírio e auto piedade; neste caso, o teu pior inimigo serás tu mesma. Tu e a tua inércia. 
Tu e a tua teimosia em aprenderes a morar sozinha.
No fundo não importa se estás a morar sozinha por uns tempos ou pelo resto da tua vida. Olha para dentro de ti e faz presente o que te falta, é como compores poesia com o teu próprio silêncio. Ao prosseguires com a vida que te foi dada, o importante é seres feliz com o que tens. Basta aprenderes a rir sozinha da tua desarrumação e surpreenderes-te com tua coragem. 
O importante é fazeres da experiência de morar sozinha a tua melhor arte.

11 comentários:

  1. mais vale só que mal acompanhada Queen.
    tens te a ti.
    e isso é muito. Pode não ser o suficiente para seres feliz. Mas tem vantagens.

    beijito

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Já me habituei, de inicio custou-me muito, agora são só vantagens.

      kiss

      Eliminar
  2. Eu também moro só e concordo com o que diz mas também é muito bom ter um amor para partilhar isso da solidão

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nem é o amor que me faz falta... São outras coisas, mas que já ultrapassei :)

      Eliminar
  3. Oh minha querida, eu moro só e não me queixo. Quando me sentir só vou imediatamente ter contigo!

    Beijo com língua!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Vens mas é para cozinhar... eheheheh
      Combinado?

      beijinhos Jorge

      Eliminar
  4. "Fazer poesia com o teu próprio silêncio"

    Excelente.
    Parabens!!!

    ResponderEliminar
  5. Só me ocorre acrescentar que ando muitas vezes pelo menos semi-nu lá em casa e não vivo sozinho - coisa que me aconteceu durante vinte anos (viver sozinho) e há dias que tenho tantas saudades... A coisa é de tal forma que tive que aprender a estar só rodeado de gente - não é a mesma coisa, mas foi o que pode arranjar.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Andar nu pela casa com companhia é bom, ou não?
      Quem sabe eu um dia ainda vou ter saudades desta minha solidão imposta?... Nunca se sabe...
      E conseguiu? ficar só no meio da multidão?

      Eliminar
  6. consegui - de algum modo, ao fim de algum tempo, todos me aborrecem, vai daí, não é assim tão difícil estarmos num sítio e não estarmos lá mentalmente - basta por um sorriso parvo e olhar para os outros como se os estivéssemos a ouvir :)

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.