terça-feira, 7 de novembro de 2017

São dias... são histórias...





Não sei por quanto tempo vou ficar. 
Mas sei que não ficarei. 
Receber tanto, mais do que alguma vez alguém me deu, é bom. 
Bom demais por vezes. E os pés em certos dias parecem levitar, confesso. Mas, sem culpa nem intenção, mostraste-me algo doloroso.
 Não me sei apaixonar. 
Sinto que perdi essa capacidade. 
Fruto da experiência, inexperiência e do tempo. «Talvez não seja o tal» vão dizer-me. «Os milagres acontecem devagar» irei ler. 
Mas no agora, como no até agora, sinto que já não sei como se faz. 
Não sei como baixar defesas, ser tolerante, deixar acontecer. 
Não quando não sinto o sentimento a fluir junto. 
Enquanto tu quase te perdes e eu não sei o que fazer. 
Enquanto, egoísta mas nunca desonesta, sugo aquilo que me dás para me dar força para mais uns tempos. 
Quase que desejo, idiota, ficar para sempre assim. 
Mas não me arrependo. 
Serão histórias se não for nada mais, onde valeram os beijos na boca pelos quais não morri de amor.

#savethelastdanceforme#


6 comentários:

  1. Lírinho Selvaginho....
    Tuas decisões pertencem a você.... o sofrimento ainda não te soltou as amarras.... os desígnios do destino são insondáveis.
    O teu tempo não é o tempo do Criador de teu destino....
    O que será...será!!!

    ResponderEliminar
  2. Há coisas que é como andar de bicicleta e não me venhas dizer que não sabes andar de bicicleta, pq se não souberes mete umas rodinhas... :-D

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sei andar de bike sim senhor, mas não é bem a mesma coisa... pois não? Ah bom...

      Eliminar

Vá... comenta, não te inibas.