segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Dizem que as mulheres não se vestem para os outros, vestem-se para elas mesmas.



E não maioria dos dias acredito que seja verdade. 
Mas falemos das excepções. 
Daquelas em que precisamos do dobro do tempo para nos arranjarmos, das que nos fazem ajoelhar perante o roupeiro e lamentar não ter nada que vestir - completamente cegas a tanto trapo. 
Essas excepções são o problema - quando nos vestimos para os outros, pior ainda, quando os outros têm um nome e um número de telefone. Independentemente da importância que lhe damos, a partir do momento em que o alvo não é apenas o nosso espelho, a coisa complica-se. 
São os primeiros sintomas de uma nova interacção, quando pela primeira vez tentamos conjugar o nosso gosto com o gosto de outro alguém. 
Não é fácil, de todo... 
E de repente, questiono-me para quem realmente eu gostaria de me vestir?!

12 comentários:

  1. Li certo dia que melhor que uma mulher bem vestida é uma mulher bem despida... :P

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Ai pahh
      Essa é tão velha.. tão velha... que consegue ser mais velha que eu :P

      Eliminar
    2. Os clássicos terão sempre um certo encanto :P

      Eliminar
  2. Se as mulheres se vestem umas para as outras não me interessa, o importante mesmo é que gosto de ver uma mulher bem vestida. Quando digo bem vestida não é sinónimo de roupas caras e de marca! Não é preciso muito dinheiro para a mulher se vestir bem!
    Um beijinho!
    :( ))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Nestas ocasiões dá tanto jeito usar uma farda.
      beijokas Jorge

      Eliminar
  3. Acho que as mulheres se vestem mais para criarem inveja às outras do que para agradarem os homens. Para si mesmas são raríssimos os casos com a falta de autoestima que vejo (e eu sei do que falo que sou psicóloga).

    Sara

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Agree Sara, por muito que me custe, concordo contigo.

      Eliminar
  4. Nessa área muita coisa mudou em mim. Durante muuuuito tempo vestia qualquer coisa, a opinião dos outros era inexistente ou negativa, eu pensava de mim mesma uma caquinha, por isso nem me dava ao esforço. Depois deu-se o canto do cisne e já na faculdade descobri que havia espelhos e que eles refletiam uma miúda que sem ser bonita tinha os seus momentos de graça e comecei a vestir-me tentando valorizar um pouco a catraía, mas era uma missão impossível porque os meus pais é que mandavam e eu só tinha permissão de vestir o que fosse aprovado. Depois o meu pricípe encantado apaixonou-se por esta gata borralheira e acredites ou não é já depois de casada que eu começo a dar algum valor áquilo que sou. As minhas filhas são um fator determinante na forma como olho hoje para mim. Hoje madura e aos 46 posso finalmente dizer que não me visto para os outros, visto apenas aquilo com que me sinto bem e me reflete, mas o reflexo pode ser diferente muitas vezes porque há outra coisa que determina como vou sair de casa: o meu humor, a cor do dia...enfim umas complicadas nós:)))))) (nunca me passou pela cabeça vestir-me para criar inveja, até porque nunca me achei capaz de semelhante feito perante outra mulher!)

    Jinhooooooossssssssssssssssssss

    ResponderEliminar
  5. Estou com a Suri, visto aquilo que me valoriza e que me faz gostar de ver o que está refletido no espelho! Estava bem lixada se pensasse em fazer inveja à quantidade de gente (mulheres e homens) com quem me cruzo diariamente, teria que levar uma mala de roupa para ir trocando de meia em meia hora, é que nem toda a gente gosta do mesmo!!! ;))))

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.