quinta-feira, 29 de agosto de 2013

Andam a matar o amor...


Antigamente o amor alimentava-se de olhares fugidios, sorrisos tímidos, toques acanhados e alguns beijos fortuitos e tantas vezes furtados.
De longas conversas no jardim, de dedos entrelaçados no cinema, de corpos encostados na praia.
A amizade crescia, antes que o amor espreitasse…
As fundações da união estavam completas, a partir daí podiam começar a erguer em conjunto as paredes da vida, sem medo de tempestades, furações ou qualquer outra intempérie, as bases era sólidas…
Hoje em dia as relações começam no sexo, não se conhecem, pouco falaram, não são sequer amigos, são apenas a paixão (efémera) um do outro, e sem pensar nas consequências atiram-se ao que sentem e que dizem ser amor…
Triste ilusão!!!
As paredes que vão construir em conjunto não têm bases, saltaram a fase dos alicerces como se fosse dispensável, e com a chegada dos primeiros ventos, chega também o primeiro tranco da relação…
Claro que não vão saber como agir, faltou-lhes a fase da aprendizagem… e isso faz toda a diferença.
Muita gente refere a época dos nossos avós como referência a relações bem sucedidas, essa mesma gente fala da época actual como a fase do descarte… não dá certo… separa…
Pois é… Existiu a fase das relações fundeadas e existe a fase das relações superficiais…
Banalizaram o amor…!

4 comentários:

  1. Sempre ouvi os mais velhos dizer "No meu tempo é que era!" já aconteceu comos avós, com os pais...e acredito que vai acontecer connosco...mas sim tens razão, hoje em dia está tudo à superficie.


    jinhosssssss

    ResponderEliminar
  2. E os responsáveis são os protagonistas das relações... são quem as constrói à medida...

    Beijos

    ResponderEliminar
  3. Pois é eu sou antiga e passei por essa fase que descreves. Hoje constato que vive-se na época do "descartável" , do "ter" em vez do "ser" e daí as relações serem superficiais. Tenho esperança que as pessoas um dia caiam nelas e mudem e no geral percebam que as relações constroem-se e que o Amor não se vende aos pacotes, surge do dar e do receber na medida.
    Beijinhos

    ResponderEliminar
  4. Olá Lírio,

    Disseste tudo e dou-te os parabéns pelo belíssimo texto.

    Por ser fiel a certos valores e estar ciente dos mesmos prefiro não amar não por mim mas por os meus valores já não estarem de acordo com a sociedade actual.

    beijinhos e boa semana.

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.