sábado, 11 de outubro de 2014


Procuro-te em cada anoitecer...
Em noites de luar vagueio perdida de mim...
Tropeço numa estrela cadente, e peço-lhe um desejo...!
Invado o reino de Neptuno, na esperança que ele me conte o teu segredo...
Tento reconhecer a tua voz, no chilrear dos pássaros...
Envolvo-me na multidão, na vã glória de vislumbrar o teu olhar...
Mas é de madrugada, que invades a minha intimidade, chegas silencioso,
como num sonho, e deitas-te a meu lado...
Acendes a fogueira do meu desejo.
Sinto o calor da tua respiração, no meu pescoço, as mãos que percorrem meu
corpo são macias como a seda...
Os lábios que me devoram, são quentes e atrevidos!
Ouço o som grave da tua voz no meu ouvido, sussurrando que me amas...
Entrego-me a este momento inebriante, onde nossos corpos se fundem, numa simbiose perfeita...
Abro os olhos, e vejo-te o rosto...
Os olhos cinzentos...
Esses que me enlouquecem, e que eu procuro em cada esquina!
Acordo com o Sol a acariciar-me o rosto...
Procuro-te na enorme cama, vazia de ti...
Fecho os olhos... Ainda consigo ver o teu sorriso...
Sinto o calor das tuas mãos... Os teus lábios ávidos dos meus...
E, é neste suave delírio, entre o sonho e a realidade...
Que te encontro... E me perco!...

6 comentários:

  1. Lírio Selvagem....
    O poema é mesmo lindo.... é tão bom sonhar e encontrar a pessoa amada nos sonhos... e é duro acordar e na suave linha entre a realidade e o sonho perdermos-nos.
    Lindo o poema... doce vir aqui!

    ResponderEliminar
  2. O poço anda muito frequentado por ti. :)

    Bjinhos

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.