sexta-feira, 10 de julho de 2015

Na voz dos outros



Nunca fui da tribo das quietas, das ponderadas. Sou intensa demais para ser amena. Tenho uma sede de vida que me faz sentir tudo por todos os poros, exageradamente, imersa inteira em todas as paixões. Nasci com a alma agitada, faminta, indiscreta. Uma inquietude que as vezes desconcerta quem cruza meu caminho. Mas apesar das minhas tempestades, no fundo da alma, há uma ternura quase infantil, uma inocência teimosa que persiste em existir, uma ingenuidade de acreditar no bem, de me jogar na vida com a fé de que ela será boa, uma calmaria no caos, uma espaço para florir esperança...



Janaina Cavallin

4 comentários:

  1. Faço minhas as palavras da Janaina Cavallin. Nasci assim e hei-de morrer assim! Não consigo mudar!

    ResponderEliminar
  2. Este post também é sobre mim ,não é?

    ResponderEliminar
  3. "tenho uma sede de vida"... lindo... também algo sobre mim.

    bj doce

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.