quinta-feira, 4 de janeiro de 2018

Aprendi que esperar é um dom.




A vida tem-me ensinado isso. Tem-me ensinado que há coisas que precisam de tempo para acontecer, tempo para poderem, definitivamente, acontecer. Tenho aprendido – tantas vezes à força – que há muitas ferramentas que temos de adquirir pelo caminho, muitas dores que temos de sentir no percurso, muitas batalhas que temos de ganhar para as coisas, efectivamente, acontecerem. É, por isso, que acredito – sem qualquer dúvida – que, na vida, importa mais o percurso que o resultado final. Porque é no percurso que nos testamos, é no percurso que nos apercebemos da força daquilo que queremos, é no percurso que nos conhecemos e compreendemos até onde nos dispomos a ir. O resultado final é apenas a soma disso tudo, é apenas a recompensa das nossas lutas – quase sempre internas. É no percurso que nos fazemos: mais valentes, mais autênticos, mais corajosos.
 A vida tem-me ensinado que o que importa é ir. Ir de encontro ao coração. Se desistirmos, voltamos a recomeçar. Se cairmos, voltamos a levantar. Se nos magoarmos, curamos as feridas e continuamos a andar. Os verdadeiros caminhos da vida são, muitas vezes, aqueles que nos deixam nódoas negras, cicatrizes marcadas eternamente no nosso interior, lágrimas choradas, muitas vezes, de forma compulsiva. Se esses caminhos custam mais? Definitivamente! Mas valem mais, porque nos dão mais.
 Aprendi que esperar é um dom. Esperar que a vida faça o seu trabalho, esperar que a vida nos dê os buracos certos para cair, as pedras certas para tropeçar, as batalhas certas para lutar. Há um tempo certo, um momento certo. Um dia, nesta espera, haveremos de alcançar o resultado final e, nessa altura, iremos perceber que afinal, nas lutas da vida, o final é o que menos importa.

3 comentários:

  1. Sem dúvida é uma batalha :) o importante é estar presente. As cicatrizes são sinal que nos batemos por algo. Gostei muito. Beijo grande**

    ResponderEliminar
  2. Saber esperar é uma virtude sem qualquer dúvida.

    ResponderEliminar
  3. Bom 2018, que tenha(s) belas jornadas.

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.