terça-feira, 20 de fevereiro de 2018

Sobre casamentos...



‘Não me vou casar’. 
Foi assim que pela primeira vez o disse tão assertivamente, convencendo-me que talvez nunca serei tão tradicional. 
mas vê-la entrar na igreja fez-me chorar, e eu que achava que era coisa de filme. 
Não pelo compasso e emoção que acompanhou toda a passadeira vermelha, mas pela felicidade de ter alguém disposto a esperar por ela no final de todo o trajecto. 
Não deve ser coisa da idade. Semelhante à minha, ainda vejo muito boa gente afirmando convictamente ter como sonho este dia. 
Olho para mim e vejo uma realidade diferente. 
Mais do que isso, mais do que qualquer coisa, na arte do romance o meu sonho é outro - talvez mais simples mas não menos exigente. 
Chamam-lhe de amor louco. 
Senti-lo tão descompassadamente, tão intensamente e reciprocamente, de um jeito que a determinado dia me faça acordar ou apenas olhar para ele sentir que ainda não chega, que é preciso mais. 
Aí, quem sabe, sob pena de todos os riscos também perderia a cabeça, já que o coração já estava perdido, e subiria igreja acima com vontade de correr para quem me espera.
Ainda assim, fico feliz por não ter dito ‘Não voltarei a amar’.

1 comentário:

  1. Gosto dos teus textos!!

    :)

    Beijoos

    https://prazeresecarinhossensuais.blogspot.pt/

    ResponderEliminar

Vá... comenta, não te inibas.