terça-feira, 24 de março de 2015

Independência versus solidão



Ando por aqui a pensar que afinal andamos todos a fingir que somos pessoas independentes e autónomas, mas lá bem no fundo o que gostaríamos mesmo era de encontrar alguém que gostasse de nós verdadeiramente, e para quem nós fossemos mesmo importantes...
Mas é tão complicado encontrar alguém que veja a vida da mesma maneira que nós, que goste das mesmas coisas... que ria dos mesmos disparates... que chore nos mesmos filmes... que goste da mesma música...
É tão mais simples assim... 
Não esperar nada de ninguém...

16 comentários:

  1. Lírio Selvagem....é difícil sim!!!
    Deveria ser simples.... acho mesmo que você está absolutamente certa.....!!!
    Somos seres humanos, com uma grande carência afetiva... e tudo o que ostensivamente demonstramos (ousadia, riquezas, independência, comportamento moderno...) é exatamente para suprir a carência de um amor simples...um amor compartilhado, onde ambos olhem para a frente..onde ambos compartilhem sonhos, sorrisos, músicas, pinturas, viagens....e tudo o que pode dar mais prazer, mais prazer que qualquer riqueza...!!!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Completamente de acordo, o "humanoide" tem a mania de complicar :)

      Eliminar
  2. Se calhar é mesmo esse o problema, andas à procura de quem goste da mesma música... isso não tem que ser assim, sabias? ;))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois não... agora já gosto dos GNR!!! As coisas que tu me mostras...

      Eliminar
  3. Somos uns grandes fingidores...eu cá acho que pode até nem gostar sempre das mesmas coisas, vá, da maioria com significado, e que noutras onde nós falhamos, que o outro nos complete e que onde o outro falha, o nosso sorriso, ombro e compreensão o preencha. Simples? Nada é simples na porra desta vida. Acredito que na sua génese o ser humano não nasceu para se sentir feliz sózinho, embora haja quem o afirme peremptóriamente.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Eu compreendo o que queres dizer Suri, tipo côncavo e convexo, certo??
      A mim bastava-me encontrar alguém que gostasse de Jazz :P

      Eliminar
  4. Olha que guapa hein?
    A tua última frase disse tudo...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Obrigada Gatinha :)) Mas, linda mesmo deve ser a tua barriguita :)
      A última frase é uma utopia, porque esperamos sempre algo de alguém...

      Eliminar
  5. e então os opostos atraiam-se :)

    Detesto essa frase...
    tão simples e tão complicado!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Os opostos nunca se atraem, têm de ter sempre algo em comum, ou então não dá certo. É a minha opinião, vale o que vale.

      Eliminar
  6. E bem verdade, se não esperamos nada de ninguém também não criamos ilusões.

    Isabel Sá
    https://brilhos-da-moda.blogspot.pt

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Há uma frase do Prof. Agostinho da Silva que ilustra bem o que disseste. "Nunca tive desilusões na vida, porque nunca tive ilusões. "
      Absolutamente verdade, bem vinda.😊

      Eliminar
  7. Eu, pelo menos não ando a fingir nada. Quero mesmo encontrar alguém especial! Mas não é preciso ser alguém que goste das mesmas coisas que eu. O essencial é o amor. Os gostos são sempre diferentes. Isso é que dá beleza e interesse à relação!
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não falei fingir no sentido literal da palavra, mas sim no sentido de nós fazermos de fortes, independentes, etc mas no fundo todos queremos o mesmo, alguém para amar. Beijinhos Carpe.

      Eliminar
  8. A pessoa que faz isso tudo e mais qq coisa que não descreveste somos nós... Com o tempo deixa de ter a mesma piada, quase como se tivessemos a jogar pictionary ou uno solo...
    Independentes e autónomos sim, mas desejavelmente bem acompanhados por quem nos desafia ;)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Alguém que nos desafie sim, mas nunca um adversário, senao corremos o risco de viver num campo de batalha.
      Até que jogar um solitário de vez em quando pode ser estimulante :p

      Eliminar

Vá... comenta, não te inibas.