quarta-feira, 11 de março de 2015

Para mim as pessoas não mudam, aprimoram.


Chamem-me inocente, crédula ou cínica a verdade é que para alguém como eu que não entende certos comportamentos mundanos (ou humanos) atitudes de variação de personalidade têm apenas um nome. Falsidade.


O facto de mostrar o que realmente sou tanto a quem me conhece hoje, como a quem me conhece há anos faz de mim inevitavelmente mais odiada que amada.

Digo o que penso, se calhar não da maneira mais soft confesso, mas quem comigo lida sabe que o que espera hoje será exactamente o mesmo que terá amanhã.
Quando não quero que saibam ao certo como sou... não mostro...não falo...observo.
Não entendo, aliás sinto-me mortalmente ofendida quando lido com pessoas que de um momento para o outro viram o discurso com uma velocidade de fazer inveja a qualquer político deste país.
Palmadinhas nas costas tendem a ter para mim hoje em dia a mesma consistência de facadas profundas e acutilantes que nos tiram o fôlego e mesmo quando num momento de profundo desespero dizemos que não tornamos a cair no mesmo...ou que confiamos pela última vez a verdade é que acabamos sempre por voltar a ser facilmente iludidas porque queiramos ou não temos a terrível mania de achar que quem nos rodeia se rege pelos mesmos ideais que nós.
O problema? É que continua a doer como o caraças... e eu pergunto-me será inocência minha ou apenas teimosia que teima em cegar-me quando na minha frente continua a desfilar exemplos intermináveis de personalidades que nada são o que mostram e que quando mostram a real face fariam as crianças do mundo comer a sopa sem ser preciso insistir muitas vezes.

Enfim...nestas alturas o ideal mesmo é fechar os olhos e recordar aqueles...poucos que nos fazem sorrir de uma maneira tão pura que chega a ser simples!
Porque verdade seja dita, não existe nada mais fácil que fazer alguém sorrir quando se o faz com sinceridade.
Bons sorrisos... Que sejam como os diamantes... eternos!


18 comentários:

  1. Tens razão, as pessoas não mudam, revelam-se.

    Beijinho Savage Girl

    ResponderEliminar
  2. As pessoas desiludem-nos, é um facto, e mais tarde ou mais cedo toda a gente o vai fazer. O facto de querermos acreditar que há gente boa, e há, e de acharmos certas coisas tão básicas e evidentes que toda a gente fará o mesmo leva a que a desilusão doa pra caraças...
    Eu ainda não perdi totalmente a fé no ser humano mas há dias em que é complicado!

    Beijos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não concordo contigo quando dizes que mais tarde ou mais cedo TODA a gente nos vai desiludir... Nem toda a gente, só algumas, aquelas que estão destinadas a nos ajudar a a aprender a seleccionar... No fundo temos de lhes agradecer, porque sem elas não daríamos tanta importância às outras... as que nos sorriem com sinceridade.

      Eliminar
    2. Sou algo pessimista, confesso, e fui-me habituando a esperar que o pior das coisas e pessoas venha ao de cima...quanto mais não seja dizerem que são do benfas ou lagartos lol

      Eliminar
    3. Toquei nalgum ponto mais sensível? :P

      Eliminar
    4. Tocaste... e o pior é que sabes que tocaste!!!! loolllll

      Eliminar
  3. Apesar da pouca abertura inicial poupar alguns dissabores com a maioria das pessoas, o facto é que também não permitiria o conhecimento e entrada da minoria que te faz sorrir ;)

    ResponderEliminar
  4. por norma tenho sempre fé na Humanidade, mas as desilusões, essas são muitas, mas não mudo e também não deves mudar (teimosia, feitio, crença, chamem-lhe o que quiseres)!

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Gosto do teu optimismo Ursinho, a sério...
      Mudar já não mudo, burro velho não aprende línguas, verdade?
      Beijokas

      Eliminar
  5. Eu também sou odiada e gosto (que remédio)*

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. É tão bom ser odiada Palhacita, é sinal que nos dão importância, ao ponto de nutrirem um sentimento por nós :)
      Alguém dizia: Falem bem ou mal de mim, o importante é que falem...

      Eliminar
  6. Estou a tentar aceitar o facto de não haver uma idade para isso deixar de acontecer. Houve um tempo em que eu pensei que isso (as desilusões) me aconteciam por ser novinha e demasiado "boa gente" sincera, honesta e transparente ...enganei-me, percebi há pouco tempo que não há uma idade limite para levar pantufadas de quem tu consideravas, estimavas, protegias mimavas...e porque não dizer, confiavas.
    Sabes o que ainda não aprendi também? Essa gente mente, vira costas, vira casacas e segue em frente, tu ficas abananada, ponderas se foste tu que ou onde erraste...fica-te um filho da mãe dum nó no estomago, às vezes passado 2, 3 anos ainda te vêm as lágrimas aos olhos quando te lembras do que se passou. A pergunta é, como é que se faz para deixar de doer?!

    jinhoooossssss minha Flor Agreste:)))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também não te sei explicar Suri.. As dores em mim tendem a ser eternas.
      Quando me decepcionam não consigo mais voltar a confiar e acabo excluindo essa pessoa da minha vida, mas a dor, essa fica, não pela falta da pessoa, mas por raiva de ter confiado.

      Beijinhos minha Suri

      Eliminar
  7. Concordo tanto contigo!!! Sou igual... e gosto! As ações ficam com quem as pratica e o resto que se lixe, valorizemos quem nos valoriza, sempre :))))
    Toma lá uma beijoca grande :))))

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Isso mesmo miss Q. o Roberto Carlos já dizia na canção "de hoje em diante eu só vou gostar de quem gosta de mim" simples? Nada simples...
      Beijinhos

      Eliminar

Vá... comenta, não te inibas.